'A eleição da Câmara não representa nada para 2022', diz ACM Neto

O presidente nacional do DEM afirmou que o apoio de parte da sua bancada a Arthur Lira, candidato de Jair Bolsonaro, não significa nada em relação às eleições

Texto de Guilherme Venaglia e produção de Jorge Fernando Rodrigues, da CNN, em São Paulo
08 de fevereiro de 2021 às 21:18 | Atualizado 08 de fevereiro de 2021 às 21:40

 

Presidente nacional do Democratas (DEM), o ex-prefeito de Salvador ACM Neto negou que a posição do partido durante a votação para a presidência da Câmara dos Deputados signifique uma aliança com o governo Jair Bolsonaro (sem partido) para 2022.

"A eleição da Câmara não representa nada para 2022. Nós não iniciamos conversa sobre 2022 no Democratas", disse ACM Neto, em entrevista à âncora da CNN Monalisa Perrone e aos colunistas Caio Junqueira e Thaís Arbex.

Em entrevista ao jornal Valor Econômico, publicada nesta segunda-feira (8), o ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia afirmou que Neto desvirtua o processo do partido, que caminhou rumo ao centro nas últimas décadas, e quer recuperar o passado da legenda, mais à direita.

O DEM, nas origens, deriva da Aliança Renovadora Nacional (Arena), partido que dava sustentação política à ditadura militar. Nas eleições para o comando da Câmara, a maior parte da bancada do DEM rejeitou Baleia Rossi (MDB-SP), apoiado por Maia, e votou em Arthur Lira (PP-AL).

ACM Neto afirmou que será contra qualquer "interferência" do governo Bolsonaro na Câmara. "O Democratas não vai aceitar nenhum tipo de interferência indevida", disse o presidente do partido, que, no entanto, afrmou ser contra "transformar a Presidência da Câmara em palco de oposição".

PSDB, Doria e o futuro de Maia

Na entrevista à CNN, ACM Neto argumenta que "não chegou a hora de falar em 22" e evitou atritos públicos com outro possível candidato a presidente, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). "Acho que o PSDB continuará cultivando uma boa relação com o Democratas", disse o ex-prefeito.

Neto comentou sobre os tucanos diante da perspectiva de que Maia deixe o DEM e se filie ao PSDB. O ex-presidente da Câmara foi convidado por Doria para ingressar no partido. Presidente de honra do tucanato, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso defendeu a filiação de Rodrigo Maia.

"Só quem pode tratar do seu futuro é o próprio Rodrigo Maia", disse Neto. O presidente do DEM afirmou que a decisão de pedir ou não na Justiça o mandato de Maia, caso ele confirme a desfiliação, será da Executiva nacional do partido. "Não será uma decisão pessoal", afirmou.