Após ter expulsão cogitada, Aécio diz que Doria quer 'se apropriar' do PSDB

Ex-presidenciável criticou movimentação do governador paulista para tirá-lo do partido

Anna Gabriela Costa, da CNN, em São Paulo
09 de fevereiro de 2021 às 18:58 | Atualizado 09 de fevereiro de 2021 às 20:40

 

O deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG), ex-governador de Minas Gerais e ex-candidato à Presidência, rebateu a defesa feita pelo governador paulista João Doria (PSDB) para que ele seja expulso do PSDB.

"O destempero do governador se deve, na verdade, à sua fracassada tentativa de se apropriar do partido", disse Aécio, em nota divulgada nesta terça-feira (9). 

"O PSDB tem uma longa tradição democrática, construída muito antes de sua chegada ao partido, e que não será sufocada por arroubos autoritários de quem quer que seja", prosseguiu o deputado federal.

Aécio Neves disse que Doria age "por estratégia eleitoral" e que criou "um conflito artificial dentro do PSDB para alimentar na imprensa projetos pessoais cada vez menos críveis".

Em reunião neste final de semana, o governador de São Paulo propôs a expulsão de Aécio, já tentada pelo diretório do PSDB de São Paulo em 2019, e também defendeu que o partido se coloque na oposição ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“Ontem decidimos que o PSDB deve ser oposição a governo Bolsonaro. E será”, afirmou João Doria, em entrevista ao colunista da CNN Caio Junqueira. 

A bancada do PSDB no Congresso também saiu em defesa de Aécio Neves. O líder do PSDB na Câmara dos Deputados, Rodrigo de Castro (PSDB-MG), afirmou que afastamento do deputado do partido não é “sequer cogitado” pelos parlamentares.

Castro relembra o pedido apresentado pelo PSDB-SP e afirma que a questão já foi analisada pelo partido. "Seu afastamento do PSDB já foi objeto de deliberação da Executiva Nacional e, assim, essa discussão não é sequer cogitada no âmbito da bancada federal”, argumenta o deputado.

Presidência do PSDB

Um dos temas da reunião do final de semana, segundo apuração do colunista Caio Junqueira, foi o posto de presidente nacional do PSDB. O governador João Doria, segundo relatos, gostaria de assumir o cargo, hoje ocupado pelo ex-deputado e ex-ministro Bruno Araújo.

A movimentação de Doria foi criticada na nota de Aécio.

"O jantar promovido por ele ontem, que tinha como objetivo afastar o atual presidente Bruno Araújo, para que ele próprio assumisse a presidência do PSDB", disse o ex-presidenciável, que classificou a postura do governador como "desrespeito à democracia interna".