Punição que mais parece licença, diz deputada Isa Penna sobre suspensão de Cury

Em entrevista à CNN, deputada assediada por colega na Alesp disse que decisão do Conselho de Ética foi fruto de 'manobra' articulada por aliados

Produzido por Jorge Fernando, da CNN, em São Paulo
05 de março de 2021 às 16:02 | Atualizado 05 de março de 2021 às 16:04

O Conselho de Ética da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) formou maioria, nesta sexta-feira (5), para suspender o deputado Fernando Cury, acusado de ter assediado a parlamentar Isa Penna (PSOL). Em entrevista à CNN, a deputada afirmou que a ação foi resultado de uma "manobra" articulada pelos aliados de Cury e criticou a punição dada ao colega.

"O que está sendo proposto é quase quatro meses [de suspensão] porque assim o gabinete do deputado permanece funcionando", disse Isa. "Essa punição nada mais é do que é uma licença, sendo que o único prejuízo que o deputado vai ter são três meses sem poder falar na tribuna, mas ele já não fala mesmo", criticou

Na decisão do Conselho de Ética, o deputado Fernando Cury será suspenso por 119 dias, mas continuará recebendo os benefícios do mandato. A decisão ainda vai a plenário, que deve decidir se a acatará total ou parcialmente.

A deputada estadual Isa Penna (PSOL-SP)
A deputada estadual Isa Penna (PSOL-SP) criticou a decisão desta sexta-feira
Foto: CNN (05.mar.2021)

"Esse relatório que foi votado hoje só por homens, que defendiam a pena menor, uma advertência ou suspensão de um mês, não é uma suspensão de mandato na prática", ressaltou a deputada.

"O que está acontecendo agora é que precisa se entender que o tempo da dominação masculina sobre os nossos corpos, das mulheres, está com os dias contados. A minha história é parte desse processo"

Isa Penna, deputada estadual do PSOL

A parlamentar do PSOL disse que o partido pedirá, no plenário, a suspensão de um ano de Cury para fazer com que todos os deputados sejam obrigados a votar no tema.