Waack: Declarações de Queiroga não ajudam a diminuir pressão sobre governo

Ao rifar o general Eduardo Pazuello, que era um fiel obedecedor, Bolsonaro esperava aliviar um pouco da pressão política; em um primeiro momento, não funcionou

Da CNN, em São Paulo
17 de março de 2021 às 09:37

No quadro CNN Poder desta quarta-feira (17), na CNN Rádio, William Waack comenta as primeiras declarações de Marcelo Queiroga, escolhido para substituir o general Eduardo Pazuello no comando do Ministério da Saúde.

“A gente tem que entender se o novo ministro da Saúde da vez consegue ou não chegar ao resultado do cálculo político de Jair Bolsonaro (sem partido) ao rifar o general Eduardo Pazuello, que era um fiel obedecedor das ordens do presidente”, disse Waack.

Ele afirmou que o presidente esperava aliviar um pouco a pressão política criada contra seu governo pela maneira como a pandemia vem sendo combatida pelas autoridades federais – vista, até aqui, como um fracasso.

“Se a ideia de Bolsonaro era aliviar parte da pressão, o ministro da vez, [Marcelo] Queiroga, ainda não conseguiu. Ao contrário, o presidente parece ter se isolado ainda mais”, continuou.

Ele afirmou que o governo recebeu recados muito claros, inclusive de caciques de partidos da base aliada.

“O centrão vai até certo ponto, quando percebe que é irrecuperável, deixa cair sozinho. O aviso foi dado a Bolsonaro.”