TCU manda Defesa informar leitos e ocupação em hospitais das Forças Armadas

Ministério tem cinco dias para ceder informações sobre quantidade de vagas em hospitais das Forças Armadas

Da CNN, em São Paulo
17 de março de 2021 às 23:16 | Atualizado 21 de março de 2021 às 14:31

O ministro Benjamin Zymler, do Tribunal de Contas da União (TCU), deu cinco dias para o Ministério da Defesa e os comandos da Aeronáutica, Exército e Marinha passarem a informar diariamente o número total de leitos clínicos e de UTI e a taxa de ocupação em hospitais das Forças Armadas. 

A informação é da colunista da CNN Renata Agostini.

As informações devem ser enviadas ao Ministério da Saúde e secretarias estaduais de Saúde. O TCU quer saber quantos leitos têm, quantos são dedicados ao atendimento à Covid-19 e qual a taxa de ocupação diária.

A área técnica do órgão pediu uma apuração de possíveis irregularidades por parte da Defesa por não disponibilizarem esses leitos em um momento em que os hospitais estão lotados. Procurado pela CNN, o Ministério da Defesa informou que ainda não foi notificado sobre a decisão, mas prestará as informações necessárias.

Em nota, o Ministério da Defesa se pronunciou neste domingo (21).

"O Ministério da Defesa informa que, desde março de 2020, as Forças Armadas vêm concentrando todos os seus esforços, atuando no combate à Covid-19, em apoio ao Ministério da Saúde e aos governos dos estados, de forma a assegurar o mais rápido e tempestivo apoio às necessidades da população. 

Por estarem na linha de frente, o percentual de militares da ativa infectados pela Covid-19 é maior que 13%, valor bastante superior à média nacional. 

Esse número elevado, somado à grande quantidade de dependentes, militares da reserva, reformados e pensionistas, normalmente de idade bastante avançada, que são atendidos por lei, tem mantido o sistema de saúde das Forças, e hospitais militares, no limite de suas capacidades, como no restante do país, em uma situação que evolui diariamente. 

Mesmo com seu sistema de saúde fortemente pressionado, com carência de recursos e de pessoal, os profissionais de saúde militares também estão fortemente engajados nas Operações Covid-19 e Verde Brasil-2. 

(...)

Reiteramos que todas as demandas de órgãos judiciais e de controle serão tratadas e respondidas pelos canais competentes."