Em reunião, Bolsonaro condena lockdown; Queiroga defende ampliar telemedicina

Segundo apurou a CNN com alguns dos participantes do encontro, Bolsonaro abriu seu discurso classificando a medida como 'inaceitável'

Por Igor Gadelha, CNN  
24 de março de 2021 às 14:37 | Atualizado 24 de março de 2021 às 16:03

Na reunião fechada com chefe de Poderes nesta quarta-feira (24), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) condenou duramente a adoção de lockdown. O encontro aconteceu no Palácio da Alvorada e contou com a participação também de ministros e governadores.

Segundo apurou a CNN com alguns dos participantes do encontro, Bolsonaro abriu seu discurso classificando a medida como “inaceitável”. Também ressaltou que não participará de nenhuma articulação que vise adotar um lockdown nacional.

Em sua fala, o presidente também admitiu que as novas cepas do novo coronavírus que circulam no Brasil são mais graves e demandam mais cuidados e mais esforços e elencou ações que o governo fez e vem fazendo para garantir a vacinação.

Telemedicina

O novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, por sua vez, usou sua fala para defender a ampliação da telemedicina como uma alternativa para não sobrecarregar o sistema de saúde, sobretudo o privado, tema que não é consenso entre a comunidade médica.

Encontro reuniu o chefe dos Poderes nesta quarta-feira (24)
Foto: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Já o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), defendeu a adoção de uma política pública para o transporte público. Segundo apurou a CNN, o deputado defendeu como prioritária a adoção de medidas para evitar aglomerações em ônibus e metrôs.