Pacheco aciona Polícia Legislativa contra assessor internacional de Bolsonaro

Filipe G. Martins teria feito gesto que pode ser associado a supremacistas brancos durante audiência do ministro Ernesto Araújo

Renata Agostini
Thais Arbex
24 de março de 2021 às 21:51 | Atualizado 25 de março de 2021 às 00:34
Filipe G. Martins e Jair Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro e o assessor especial para Assuntos Internacionais, Filipe G. Martins
Foto: Reprodução/Twitter

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), vai determinar que a Polícia Legislativa abra uma investigação contra o assessor especial para assuntos internacionais da Presidência da República, Filipe Martins, que teria feito um gesto que pode ser associado a supremacistas brancos durante uma sessão da Casa. O gesto também pode ser interpretado como obsceno.

Martins acompanhava o chanceler Ernesto Araújo. O ministro de Relações Internacionais de Jair Bolsonaro (sem partido) foi chamado ao Senado para falar sobre a atuação de sua pasta em relação à aquisição de vacinas contra a Covid-19.

A postura de Martins repercutiu de imediato no Palácio do Planalto. Imagens e vídeo do assessor fazendo o gesto começaram a circular entre integrantes do governo minutos depois.

A CNN procurou Martins, que ainda não respondeu ao contato da reportagem. Em sua rede social, ele postou a seguinte mensagem sobre o assunto: “Um aviso aos palhaços que desejam emplacar a tese de que eu, um judeu, sou simpático ao ‘supremacismo branco’ porque em suas mentes doentias enxergaram um gesto autoritário numa imagem que me mostra ajeitando a lapela do meu terno: serão processados e responsabilizados; um a um.”