Marco Aurélio, do STF, marca aposentadoria para 5 de julho de 2021

A cadeira será ocupada por um nome a ser designado pelo presidente Jair Bolsonaro

Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN  
30 de março de 2021 às 01:28 | Atualizado 30 de março de 2021 às 18:43

 O ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal, afirmou à CNN que decidiu se aposentar no dia 5 de julho, uma semana antes da data limite para a aposentadoria compulsória, quando completa 75 anos.

A cadeira será ocupada por um nome a ser designado pelo presidente Jair Bolsonaro.

O ministro afirmou à coluna que não quis correr o risco de perder reajustes para fins de cálculo da aposentadoria. Ele observa que há entendimentos diversos sobre a aposentadoria compulsória garantir ao magistrado a paridade de proventos e subsídios.

"Simplesmente porque há quem veja chifre na cabeça de cavalo. Eu marcharia para a compulsória. Mas devemos ter cautela. Cautela, caldo de galinha, canja não fazem mal a ninguém. Mas acredito que tenha crédito porque poderia ter me aposentado aos 52 anos de idade", disse à coluna.

No fim de 2020, o ex-ministro Celso de Mello também antecipou sua aposentadoria. Na ocasião, apontou razões de saúde.

O ministro do STF Marco Aurélio
O ministro do STF Marco Aurélio
Foto: Carlos Moura - 11.dez.2019 / SCO - STF

Em seus últimos meses na cadeira de decano da suprema corte, Marco Aurélio manteve seu histórico de casos e frases polêmicos.

Em sessão virtual, o ministro chamou o presidente da corte, Luiz Fux de "autoritário" e o ministro Alexandre de Moraes de "xerife" porque, na ocasião, não reviu a prisão do deputado Daniel Silveira, em plenário.

O ministro também é relator dos casos que deram autonomia a governadores e prefeitos sobre medidas contra o coronavírus.

Em recente decisão, afirmou que o governo cometeu "erro grosseiro" ao mover ação apenas com assinatura do presidente Jair Bolsonaro, dispensando a assinatura do ministro da Advocacia Geral da União, José Levi.