Bolsonaro define novos comandantes de Exército, Marinha e Aeronáutica

General Paulo Sergio Nogueira, o almirante Almir Garnier Santos e o tenente-brigadeiro Baptista Júnior assumem a direção das Forças

Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN  
31 de março de 2021 às 17:01 | Atualizado 31 de março de 2021 às 18:19

O governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) definiu os nomes dos novos comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica. Os escolhidos foram confirmados à CNN por fontes do Ministério da Defesa e do Palácio do Planalto.

O novo comandante do Exército é o general Paulo Sergio Nogueira. Anteriormente, ele era o quarto na lista de antiguidade, ou seja, na relação de oficiais com mais experiência no Exército. Com a aposentadoria de alguns oficiais hoje, Nogueira passou a ser terceiro mais antigo. A tradição do Exército é a escolha de um oficial entre os três que estejam a mais tempo no cargo de general.

Atualmente, Nogueira é chefe do Departamento-Geral de Pessoal do Exército. Ele vai substituir Edson Pujol, que deixou o cargo ao lado dos outros comandantes das Forças nesta semana. O nome do novo comandante já foi informado internamente ao Alto Comando do Exército.

Para Marinha, o escolhido foi o almirante de Esquadra Almir Garnier Santos, segundo mais antigo da Marinha. Ele vai substituir Ilques Barbosa, que também deixou o cargo.

O tenente-brigadeiro Baptista Júnior é o novo comandante da Aeronautica, no lugar de Antônio Carlos Moretti Bermudez.

Mais cedo, o novo ministro da Defesa, o general Walter Braga Netto, se reuniu com os oficiais mais antigos das três forças. De acordo com auxiliares, o objetivo foi conhecer os perfis e saber qual assessoramento poderiam dar ao presidente. 

Durante a cerimônia de apresentação realizada nesta quarta-feira (31), Braga Netto ressaltou que o principal desafio do páis no momento é o combate à pandemia de Covid-19 e afirmou que o maior patrimônio de uma nação é a "garantia da democracia" e a "liberdade do seu povo".

“Os militares não faltaram no passado e não faltarão sempre que o país precisar. A Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea Brasileira se mantém fiéis às suas missões constitucionais de defender a Pátria, garantir os Poderes constitucionais e as liberdades democráticas", afirmou o ministro.

Saída coletiva

O general Edson Pujol, o tenente-brigadeiro Moretti Bermudez e o almirante Ilques Barbosa estavam à frente das Forças Armadas desde o início do governo Bolsonaro, em janeiro de 2019. Os três foram comunicados da mudança na terça-feira (30), um dia depois de cogitarem se demitir em protesto à dispensa do então ministro da Defesa, o general Fernando Azevedo.

Segundo apuração do colunista da CNN Caio Junqueira, Bolsonaro demitiu Azevedo por considerar que as Forças Armadas estavam "distantes" do governo. Em nota, o general afirmou ter conduzido os militares como "instituições de Estado" -- portanto, sem ligação política com a atual gestão.

Comandantes militares Bolsonaro
Da esquerda para a direita: o general Paulo Nogueira, do Exército; o ministro da Defesa, Braga Netto; o presidente Jair Bolsonaro; o tenente-brigadeiro Baptista Júnior, da Aeronáutica; e o almirante Almir Garnier Santos, comandante da Marinha
Foto: Divulgação

A mudança no Ministério da Defesa foi incluída em uma reforma ministerial feita pelo presidente Jair Bolsonaro na segunda-feira. O sucessor de Azevedo, general Braga Netto, ocupava um cargo de confiança do presidente, como ministro-chefe da Casa Civil.

Além da Defesa e da Casa Civil, o presidente promoveu mudanças nos ministérios da Justiça e da Segurança Pública e das Relações Exteriores, na Advocacia-Geral da União (AGU) e na Secretaria de Governo.

Tabela com a mudança nos ministérios do presidente Jair Bolsonaro
Tabela com a mudança nos ministérios do presidente Jair Bolsonaro no dia 29 de março de 2021
Foto: CNN

Oposição

Parlamentares da oposição articulam um pedido de impeachment contra Bolsonaro, sob a acusação de que o presidente da República promoveu as mudanças com o objetivo de interferir politicamente nas Forças Armadas.

Segundo informações da âncora da CNN Daniela Lima, o pedido envolve diversos partidos e é liderado pelo deputado Alessandro Molon (PSB-RJ) e pelos senadores Jean-Paul Prates (PT-RN) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

A mudança também foi criticada pelo general Carlos Alberto dos Santos Cruz, que foi ministro-chefe da Secretaria de Governo nos primeiros meses da gestão Bolsonaro. Em entrevista à CNN, Santos Cruz classificou como "ofensa às Forças Armadas" a substituição dos comandantes.

Parlamentares de oposição ao governo também contestam a Ordem do Dia, documento assinado pelo novo ministro da Defesa Walter Braga Netto que celebra o golpe militar de 31 de março de 1964.

Governo

Em seu posicionamento, Braga Netto defende a análise do ocorrido há 57 anos de forma distanciada dos tempos atuais. O ministro da Defesa argumenta que a deposição do presidente João Goulart deve ser considerada no contexto da Guerra Fria.

Em entrevista à CNN, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, afirmou que o governo não tem qualquer intenção de interferir politicamente nas Forças Armadas. "Não tem nenhuma mudança de postura em relação às Forças Armadas, queria deixar isso bem claro", disse.