'Faltam 9 assinaturas para abrir CPI mais ampla', diz senador Girão

Senador afirma que centenas de bilhões de reais foram enviados a estados e municípios para o combate à Covid-19 e há 61 operações envolvendo a Polícia Federal

Produzido por Jorge Fernando Rodrigues Da CNN, em São Paulo
11 de abril de 2021 às 12:15 | Atualizado 11 de abril de 2021 às 12:24

O Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que o Senado abra uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a condução do governo federal na pandemia de Covid-19. No entanto, alguns parlamentares pedem que a CPI também investigue a atuação de estados e municípios. 

Um dos parlamentares que está colhendo assinaturas para que governadores e prefeitos sejam investigadas é o senador Eduardo Girão (Podemos - CE). "Muitos colegas têm me ligado desde sexta-feira (10), e faltam apenas nove assinaturas. Eu acredito que ainda neste domingo (11), a gente possa superar o número mínimo de 27 assinaturas para abertura de uma CPI mais ampla”, afirma.

Eduardo Girão defende que a CPI da Covid englobe estados e municípios para ser mais "justa". "Uma CPI mais justa e que eu acredito que vá trazer todos os dados para o povo brasileiro fazer o seu julgamento", diz.

Segundo ele, uma CPI que só investiga o governo federal tem cunho político e eleitoral para 2022. “O bom senso manda que a gente faça a justiça por inteiro. Buscar a verdade e não apenas uma parte da verdade”.

“Eu confesso que fico indignado porque nós temos centenas de bilhões de reais enviados a estados e municípios e com 61 operações da Polícia Federal”, afirma.

Girão acrescentou que existe um projeto de lei, esperando para ser votado no Senado, em que ele propõe a duplicação da pena em casos de desvio de dinheiro ao longo da pandemia.

“Como diz Alvaro Dias, líder do Podemos, um roubo durante uma pandemia não é apenas corrupção, é um assassinato”, complementa.

Senador Eduardo Girão (Podemos - CE)
Senador Eduardo Girão (Podemos - CE)
Foto: Reprodução / CNN