Rezende: Governo vai tentar mudar seu discurso ambiental, mas não vai colar

No quadro Liberdade de Opinião desta terça-feira (20), Sidney Rezende falou sobre a participação do Brasil na Cúpula do Clima, que ocorre nesta semana

Da CNN, em São Paulo
20 de abril de 2021 às 10:01

No quadro Liberdade de Opinião desta terça-feira (20), Sidney Rezende falou sobre a tentativa do governo federal em mudar seu discurso ambiental às vésperas da Cúpula do Clima convocada pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, para tentar agradar autoridades internacionais e atraí-las a ajudar o Brasil na preservação do meio ambiente.

“No discurso da próxima quinta-feira (22) [na Cúpula do Clima], não bastará o presidente dizer que tem novas metas porque isso não vai colar porque a realidade mostra o sentido oposto do que estão tentando vender.”

“Estamos desmontando tudo de positivo que tínhamos em relação ao meio ambiente com Ricardo Salles, não há dúvidas, e todo mundo lá fora sabe disso. O governo vem atuando no meio ambiente de maneira acelerada para passar a boiada, defendendo quem desmata. Fazem isso há algum tempo."

“Salles fez isso em sequência: exonerou o diretor do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade “ICMBio), depois teve a polêmica de dados com o diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), que acabou sendo exonerado, depois Bolsonaro culpou ONGs pelas queimadas. Por fim, no final do ano o presidente acusou o ator Leonardo DiCaprio como responsável pelas queimadas."

“O governo brasileiro vem sistematicamente atuando nessa área de meio ambiente defendendo madeireiros, grileiros e garimpeiros e ainda abriu mão de recursos vindo de países europeus. Estão mudando o discurso para ficar bem na foto na quinta-feira (22), mas não vai colar.”

O Liberdade de Opinião tem a participação de Sidney Rezende e Alexandre Garcia. O quadro vai ao ar diariamente na CNN.

Sidney Rezende no quadro Liberdade de Opinião (20.abr.2021)
Sidney Rezende no quadro Liberdade de Opinião (20.abr.2021)
Foto: CNN Brasil

As opiniões expressas nesta publicação não refletem, necessariamente, o posicionamento da CNN ou seus funcionários.