Lewandowski decreta sigilo de documentos sobre perícia da Operação Spoofing

Na última sexta-feira (23), o ministro do STF liberou acesso ao senador Renan Calheiros às mensagens trocadas pelo ex-juiz Sergio Moro com procuradores

Gabriela Coelho, da CNN, em Brasília
26 de abril de 2021 às 12:59 | Atualizado 26 de abril de 2021 às 13:02
Ricardo Lewandowski, ministro do STF
Ministro do STF, Ricardo Lewandowski em sessão virtual da Corte
Foto: Reprodução/CNN Brasil (22.abr.2021)

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), decretou sigilo nesta segunda-feira (26) de documentos e cópias das perícias realizadas em cada uma das mídias apreendidas em poder dos hackers ou de terceiros na Operação Spoofing.

Na última sexta, a CNN mostrou que Polícia Federal (PF) encaminhou ao STF cópia das perícias feitas pela corporação. Os arquivos das conversas foram apreendidos em 23 de julho quando foi deflagrada a 1ª fase da operação.

No mesmo dia, o ministro concedeu acesso às mensagens então juiz Sergio Moro com os procuradores da Operação Lava Jato, na Operação Spoofing, ao senador Renan Calheiros (MDB-AL).

Em dezembro de 2020, o ministro Ricardo Lewandowski concedeu à defesa do ex-presidente Lula acesso às mensagens apreendidas pela Operação Spoofing, da Polícia Federal, realizada em julho de 2019. 

Já em fevreiro deste ano, a Segunda Turma do Supremo manteve o acesso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva às mensagens apuradas pela Operação Spoofing que lhe digam respeito.

O colegiado também entendeu que os membros do Ministério Público de primeiro grau não possuem legitimidade para postular na causa.