Oposição quer deixar que Mandetta e governistas se enfrentem em CPI

Parlamentares críticos ao governo Jair Bolsonaro não querem que ex-ministro use comissão para fortalecer possível candidatura à Presidência em 2022

Fernando Molica
Por Fernando Molica, CNN  
03 de maio de 2021 às 18:33 | Atualizado 03 de maio de 2021 às 19:18

 A julgar pelas intenções de senadores governistas e da oposição, o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM) não terá vida fácil em seu depoimento na CPI da Pandemia. Parlamentares ligados ao Palácio do Planalto vão explorar a decisão de Mandetta de, no início da pandemia, aconselhar que pessoas com sintomas leves de Covid-19 evitassem procurar atendimento médico.

Oposicionistas não querem permitir que o ex-ministro use a CPI como palanque, já que ele é um possível candidato à eleição presidencial de 2022. O grupo, porém, tem a expectativa de que ele relate detalhes de conversas que possam comprometer o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Senadores independentes e da oposição avaliam deixar que governistas façam as primeiras perguntas do depoimento, isso para permitir um embate direto entre Mandetta e esses parlamentares. A ordem dos questionamentos é feita de acordo com as inscrições, que serão abertas na manhã desta terça (4).

Entre os integrantes da CPI há uma curiosidade em relação ao comportamento do senador Marcos Rogério (DEM-RO) durante a sessão. Defensor do governo, ele é do mesmo partido de Mandetta.

O ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta em entrevista coletiva
Luiz Henrique Mandetta (DEM), em foto de abril de 2020, quando exercia o cargo de ministro da Saúde
Foto: Adriano Machado/Reuters (7.abr.2020)