Políticos de diferentes partidos fazem homenagens a Bruno Covas

Parlamentares, ministros de estado, governadores e prefeitos deixaram divergências de lado para homenagear o prefeito de São Paulo

Renato Barcellos, da CNN, em São Paulo
16 de maio de 2021 às 10:52 | Atualizado 17 de maio de 2021 às 06:53

A esfera política brasileira está de luto após a morte de Bruno Covas neste domingo (16), aos 41 anos. Além de aliados próximos, como João Doria (PSDB) e Ricardo Nunes (MDB), e ex-presidentes, como Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, o prefeito de São Paulo, que lutava contra um câncer desde 2019, recebeu homenagens de vários dos seus pares, confira:

Ministros de estado

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, classificou Covas como bem-humorado, inteligente e possuidor de espírito público e disse que o prefeito deixa um legado de trabalho e de amor a São Paulo e ao país.

Fábio Faria (PSD-RN), ministro das Comunicações, lembrou da época que foi colega de Covas na Câmara dos Deputados e pediu que Deus conforte os familiares e amigos do prefeito.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, lamentou a morte do prefeito. "Que Deus possa recebê-lo em Seus braços e conforte toda família e amigos", escreveu.

Tereza Cristina (DEM-MS), ministra da Agricultura, também relembrou os tempos de deputada ao lado de Covas e afirmou que São Paulo perde um líder jovem e comprometido. 

O ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, afirmou que sente "pela partida" do prefeito, pela família e amigos de Bruno. Ele também desejou "força, equilíbrio e resiliência neste momento difícil e doloroso".

"A vida é para vivermos plenamente. Não sabemos quando partiremos e nem como. Projetamos nossos passos, mentalizamos um caminho, mas a vida tem os seus percursos e rota que, algumas vezes, não entendemos. O que nos cabe é ser um bom amigo, um bom marido, namorado e um bom cidadão ou político, vivendo e buscando fazer o melhor para nós e para o próximo", escreveu o ministro.

Tarcísio Gomes de Freitas, ministro da Infraestrutura, disse que "na única ocasião em que foi preciso" trabalhar com Covas, o prefeito "foi de um republicanismo exemplar" e buscou resolver o problema antes de definir qual ente seria responsável.

"Ganhou minha admiração. Meus sentimentos à família", escreveu Tarcísio.

Justiça

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e integrante do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Luiz Fux, ressaltou que Covas deixa "valiosas lições de perseverança e esperança a todos nós".

Alexandre de Moraes, ministro do STF, prestou sentimentos à família do prefeito e disse que o "Brasil perde um grande homem público" e São Paulo "um ótimo prefeito". "A perda maior, porém, é para os familiares e amigos de Bruno Covas, que deixarão de conviver com uma pessoa alegre, inteligente, sensível e leal", escreveu o magistrado.

Para o presidente do Tribunal Superior Eleitoral e ministro do STF, Luis Roberto Barroso, Bruno Covas honrou a tradição democrática da família, "que teve no Senador Mário Covas outro integrante respeitado e admirado pela nação brasileira". 

O ministro Humberto Martins, presidente do Superior Tribunal de Justiça, classificou a batalha de Covas contra o câncer como "um ato e bravura e de fé". 

Felipe Santa Cruz, presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), afirmou que no início da pandemia, "diante de tantas dúvidas em relação ao vírus", a postura e o compromisso público de Bruno Covas "impressionaram".

"Em tratamento contra o câncer, jamais se retirou do combate; hora nenhuma declinou de sua liderança", disse Santa Cruz.

Governadores

O colega de partido e governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB-RS), disse que vai levar a alegria, trabalho, serenidade e dedicação de Bruno Covas por uma "política feita com respeito e equilíbrio como exemplo". 

Camilo Santana (PT-CE), governador do Ceará, classificou como "triste" a "partida precoce" de Covas. "Mesmo sofrendo com a doença, ele foi um lutador incansável no combate à pandemia da Covid."

O governador do Piauí, Wellington Dias (PT-PI), ressaltou que além da trajetória política e legado para a população, Bruno Covas "nos deixou uma lição de força, fé e muita determinação".

Ronaldo Caiado (DEM-GO), governador de Goiás, disse que "Bruno Covas foi um jovem que soube honrar os valores que seu avô Mário Covas ensinou". Para o médico, a perda não entristece apenas São Paulo, mas o país todo. "Era um político da nova geração que ajudaria muito o país", escreveu.

A governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT-RN), exaltou o exemplo de Covas que "mesmo acometido por uma doença tão agressiva como o câncer, enfrentar uma outra luta, a do combate à Covid".

Paulo Câmara (PSB-PE), governador de Pernambuco, afirmou que Bruno herdou do avô Mário Covas o senso de justiça e a coragem. "Características que ficaram evidentes em sua luta contra o câncer".

O governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PSC-RJ), disse que a morte de Covas "interrompe uma trajetória que ainda seria repleta de conquistas". "Uma grande perda para o Brasil com a partida deste jovem, líder e democrata", escreveu.

Parlamentares

Presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) relembrou quando trabalhou ao lado de Covas na Comissão de Constituição e Justiça, em 2015. Lira classificou o prefeito como um jovem talento na política e afirmou que Covas "travou com coragem e otimismo uma árdua batalha".

Rodrigo Pacheco (DEM-MG), presidente do Senado, expressou -- em nome do Congresso Nacional -- "profundos sentimentos de pesar" ao filho e à família do prefeito.

Ex-presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) ressaltou a relação dele com Covas enquanto deputado e prefeito. Para Maia, Bruno foi uma pessoa que sempre demonstrou muita força e é um "exemplo de luta para todos nós".

Filho do presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido), o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) afirmou que a postura de Covas "à frente da maior cidade do Brasil, com dedicação absoluta até o último minuto que pôde, serve de inspiração a todos na vida pública".

O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), lamentou a perda precoce de Covas e disse que o país perdeu "um grande gestor e homem público que honrou a tradição política" do avô Mário Covas, a quem Tasso se referiu como "inesquecível". "Amigo e referência pessoal para mim e para toda uma geração de políticos, Mário tinha em Bruno um herdeiro que, com certeza, o encheria de orgulho", escreveu o senador.

José Serra (PSDB-SP), que também foi prefeito de São Paulo e atualmente é senador da República, disse que Covas era "uma bela figura humana e um grande quadro político". Para o ex-ministro, o prefeito fará "muita falta à cidade de São Paulo, que ele vinha administrando com dedicação e competência".

Presidente estadual do Cidadania, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) lastimou que o "Brasil tão carente de lideranças" tenha perdido Bruno Covas.  "Nenhum de nós escolhe o tempo que tem nesta vida, mas escolhe o que fazer com o tempo que tem. Bruno Covas escolheu dedicar seu tempo ao povo de SP e ao seu filho. Cumpriu bem as duas missões. Que descanse em paz".

Baleia Rossi, presidente nacional do MDB, exaltou o caráter, a perseverança e a coragem de Covas. O deputado disse ainda que o prefeito "honrou cada voto que recebeu do povo paulista".

Prefeitos

Para o prefeito de Santos, Rogério Santos, Covas deixa um legado de liderança, competência e coragem. "Um talentoso jovem santista, de berço e coração alvinegro, que enfrentou a doença de cabeça erguida, com transparência e determinação. Um gestor público que, espelhado no exemplo do seu avô, Mário Covas, jamais abandonou a função pública por entender que a busca do bem comum é contínua".

O prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo (MDB-RS), disse que o Brasil perdeu "um grande cidadão e um excelente gestor público", Melo ressaltou que o prefeito de São Paulo lutou pela vida e sempre se mostrou um homem forte ao enfrentar o câncer e inspirar milhares de brasileiros que também lutam contra a doença. 

Bruno Reis (DEM-BA), prefeito de Salvador, afirmou que Covas "foi um guerreiro incansável", deixou "uma importante lição de perseverança e resistência"; e é exemplo de diálogo e trabalho.

Na avaliação do prefeito de Recife, João Campos (PSB-PE), a força que Bruno Covas "demonstrou ao longo de toda a sua trajetória será a melhor maneira de lembrar dele". 

O prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira (PDT-SE), lembrou que Covas assumiu, recentemente, como vice-presidente da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), mesmo já estando em tratamento médico. "Demonstrou sua garra e disposição para o trabalho e para a defesa dos municípios", escreveu.

João Henrique Caldas (PSB-AL), prefeito de Maceió, lamentou a morte de Covas e relembrou da época que foram colegas na Câmara dos Deputados, entre 2015 e 2016. "Covas era um líder jovem, preparado e cheio de coragem, sempre pronto a colaborar com o nosso país. Que sua garra sirva de inspiração para as atuais e futuras gerações", disse JHC.