De 'Clube dos Tucaninhos' a prefeito de SP: relembre a trajetória de Bruno Covas

Renato Barcellos, da CNN, em São Paulo
16 de maio de 2021 às 09:56 | Atualizado 16 de maio de 2021 às 10:45

 

Aos 41 anos, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, morreu neste domingo (16) vítima de um câncer no trato digestivo. 

Em 15 de abril deste ano, Covas foi internado para realizar exames de controle. No entanto, foram descobertos novos focos de câncer. Ele recebeu alta no dia 27 do mesmo mês, mas cinco dias mais tarde, anunciou que iria se licenciar por 30 dias do cargo de prefeito de São Paulo para dar continuidade ao tratamento.

No dia 3 de maio, após a realização de uma endoscopia que revelou um sangramento na cárdia, onde já havia o tumor original, o tucano precisou ser transferido para a UTI. Uma semana mais tarde, iniciou uma nova fase de tratamento contra o câncer, combinando imunoterapia com terapia-alvo.

Já no dia 14 de maio, o boletim médico divulgado pelo Hospital Sírio-Libanês apontava que o quadro clínico era irreversível.

Bruno Covas, em 2011, como secretário estadual de Meio Ambiente
Bruno Covas, em 2011, como secretário estadual de Meio Ambiente
Bruno Covas, em 2011, na secretaria estadual do Meio Ambiente. Atrás dele, um quadro com a fotografia do avô, Mário CovasCrédito: André Lessa/Estadão Conteúdo
  • Bruno Covas, em 2011, como secretário estadual de Meio Ambiente
  • Bruno Covas entrega passaporte diplomático ao então ministro José Serra
  • Então vice-prefeito, Bruno Covas anuncia mudanças estruturais na prefeitura
  • Bruno Covas, em 2017, como prefeito em exercício, faz vistoria no piscinão do có
  • Já prefeito, Bruno Covas faz visita ao Mutirão do Emprego, em 2019
  • Bruno Covas em tratamento contra o câncer
  • Bruno Covas registra voto, nas eleições de 2020, ao lado do filho
  • DEBATE CNN BOULOS COVAS
  • Bruno Covas, em 2020, como candidato à prefeitura de São Paulo

 

Relembre a trajetória política de Bruno Covas:

Bruno Covas começou cedo na vida política e ainda quando criança se filiou ao "Clube dos Tucaninhos" do PSDB.

Carteirinha de filiação de Bruno Covas no Clube dos Tucaninhos, do PSDB
Foto: Instagram/@brunocovas

A paixão pela política ficou ainda maior em 1995, quando Bruno saiu da cidade de Santos, no litoral de São Paulo, e foi estudar na capital, onde morou com o avô Mário Covas, à época governador do estado.

Bruno Covas inaugura conjunto habitacional ao lado do avô Mário Covas, em 1996
Foto: Instagram/@brunocovas

Em 1998, Bruno Covas se filiou oficialmente ao PSDB e, logo no ano seguinte, foi eleito o Primeiro Secretário da Juventude do Partido. Quatro anos mais tarde se elegeu presidente estadual do PSDB. Entre 2007 e 2011, foi presidente nacional da Juventude Tucana.

A carreira pública de Bruno Covas, no entanto, teve início em 2004, quando se candidatou como vice-prefeito de Santos na chapa de Raul Christiano pelo PSDB. Em 2005 e 2006, foi assessor da liderança dos Governos de Geraldo Alckmin e Cláudio Lembo na Assembleia Legislativa.

Bruno Covas ao lado do avô Mário Covas e do ex-presidente FHC, em 1997, na cidade de Campos do Jordão
Foto: Instagram/@brunocovas

Ainda em 2006, Bruno Covas foi eleito deputado estadual com 122.312 votos, umas das maiores votações daquele pleito. Quatro anos mais tarde, foi reeleito deputado estadual com 239.150 votos, se tornando o mais votado no Estado de São Paulo.

Durante as legislaturas, foi presidente da Comissão de Finanças e Orçamento no primeiro biênio (2007-2008) e relator do Orçamento do Estado por dois anos consecutivos (2009-2010).

Covas fez parte também das Comissões de Direitos Humanos e de Defesa dos Direitos do Consumidor, além de atuar como presidente da Frente Parlamentar de Apoio à Comunidade Luso-Brasileira e Coordenador da Frente DST-Aids.

Nos dois mandatos, foi relator de mais de 180 projetos de lei, presidiu a CPI do ECAD, foi relator da CPI da CDHU e membro da CPI da BANCOOP.

Bruno Covas, em 2006, na Assembleia Legislativa de São Paulo, antes de assumir como deputado estadual
Foto: Sebastião Moreira/Estadão Conteúdo

Em 2011, se licenciou do cargo de deputado estadual para assumir a Secretaria do Meio Ambiente do então governador Geraldo Alckmin. Ficou no cargo até 2014, quando foi exonerado para disputar mais uma eleição.

Bruno Covas, em 2011, ao mudar o título de eleitor de Santos para São Paulo para poder concorrer à prefeitura. Covas, no entanto, não disputou as eleições
Foto: Ayrton Vignola/Estadão Conteúdo

Assim como em 2006 e 2010, Bruno conseguiu se eleger nas eleições de 2014, mas dessa vez para deputado federal. Durante o mandato votou a favor do processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Já na gestão de Michel Temer, votou a favor da PEC do Teto dos Gastos Públicos.

Bruno Covas na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional, em 2007
Foto: Instagram/@brunocovas

Deixou o cargo novamente em 2016 para entrar como vice-prefeito na chapa de João Doria. Na ocasião, eles foram eleitos no primeiro turno. Além de vice-prefeito, ele atuou na Secretaria das Prefeituras Regionais e também na Secretaria da Casa Civil.

Então vice-prefeito, Bruno Covas anuncia mudanças estruturais na prefeitura
Foto: Hélvio Romero/Estadão Conteúdo

Dois anos mais tarde, João Doria deixou a prefeitura de São Paulo para concorrer ao governo do estado. Assim, Bruno Covas assumiu efetivamente o cargo de prefeito. Em 2020, foi reeleito para comandar a maior cidade do país, após vencer Guilherme Boulos no segundo turno da eleição.

Bruno Covas toma posse como prefeito de São Paulo
Foto: Alex Silva/Estadão Conteúdo