Pazuello desmente senadores e nega que tenha passado mal

Ex-ministro afirmou a jornalistas que não teve a indisposição relatada pelo senador Otto Alencar, que afirma tê-lo atendido

Rachel Vargas, da CNN, em Brasília
19 de maio de 2021 às 18:21 | Atualizado 19 de maio de 2021 às 19:09

Após a suspensão da sessão em que era ouvido na CPI da Pandemia nesta quarta-feira (19), o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello afirmou que não passou mal. "Não houve nada disso", afirma Pazuello.

Segundo o Senado Federal, Pazuello passou mal e foi atendido por Otto Alencar. O ex-ministro, no entanto, nega a versão dos senadores

A indisposição do ex-ministro foi informada pelo senador Otto Alencar (PSD-BA), que é médico e relatou tê-lo auxiliado. O parlamentar afirmou que Pazuello passou por um quadro de síndrome vagovagal e que estava pálido.

"Ele teve uma síndrome vagovagal, que acontece com as pessoas que estão muito emocionadas às vezes ou fiquem muito em pé, por emoção. É uma perda sanguínea do toráx e do cérebro. Isso recua muito para os membros inferiores. Quando cheguei na sala do cafezinho, ele estava muito pálido. Eu vi, procurei colocar ele na posição correta", relatou Otto Alencar à CNN.

"Eu deitei ele, elevando os membros inferiores. Ele ficou corado, normal. Ele passou muito tempo depondo, ficou muito tempo em pé, está emocionado, essa síndrome acontece muito", afirmou. O Senado, pela rede social oficial da Casa, também afirmou que o mal-estar ocorreu e o ex-ministro foi atendido.

Publicação oficial do Senado Federal confirma "mal-estar" do ex-ministro Eduardo Pazuello
Foto: Reprodução/Twitter

Aos jornalistas, o ex-ministro Eduardo Pazuello afirmou que "não aconteceu nada" e que a sessão foi suspensa apenas em razão do adiantado da hora. O general volta a ser ouvido nesta quinta-feira (20), a partir das 9h30.

O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello deixa o Senado após prestar depoimento
Foto: Gabriela Biló/Estadão Conteúdo

O senador Marcos Rogério (DEM-RO), que acompanhava o ex-ministro, também negou que ele tenha passado mal. O atendimento feito por Otto Alencar foi registrado na conta oficial do Senado Federal no Twitter.