Temos que enfrentar guerra de titãs, diz Tebet sobre atuação de mulheres na CPI

Líder da bancada feminina no Senado, Simone Tebet (MDB-MS) falou sobre representação em comissão de inquérito que conta apenas com titulares homens

Produzido por Rudá Moreira, da CNN, em Brasília
31 de maio de 2021 às 16:53 | Atualizado 31 de maio de 2021 às 16:54

Líder da bancada feminina no Senado, a senadora Simone Tebet (MDB-MS) classificou como uma "guerra de titãs" a participação das mulheres na CPI da Pandemia. Em entrevista à CNN nesta segunda-feira (31), a senadora afirmou que o único pedido das mulheres na comissão foi o de representação.

"Na CPI, são 11 titulares e 9 suplentes, ou seja, 20 senadores. O que pedimos não foi direito a aprovar requerimentos, nem o de convocar autoridades e votar relatório. Falamos apenas que não era justo esperar 20 senadores homens falar para depois dar espaço para uma mulher falar", explicou Simone. "Queríamos constar com uma mulher na lista de titulares e uma única senadora falando na lista de suplentes, e até nisso tivemos que enfrentar uma guerra de titãs." 

Para ela, falta por partes dos senadores "paciência para ouvir o que uma mulher na vida pública tem a dizer". "São construções do dia a dia. Damos dois passos, recuamos um, às vezes, mas nunca voltamos ao ponto de partida", disse a senadora.

Composta por 12 parlamentares, a bancada feminina no Senado vem ganhando destaque na CPI da Pandemia mesmo sem membros titulares. Em todas as sessões, pelo menos uma integrante participa ativamente dos debates na comissão.

Simone Tebet vê com o otimismo o retorno recebido da sociedade, através das redes sociais, sobre o trabalho das mulheres na comissão. "Queremos mostrar o que acontece com a mulher que quer se empoderar e ocupar o espaço público. Isso nos dá muita esperança de que estamos no caminho certo e que num curto no espaço de tempo vamos conseguir fazer diferença."

Senadora Simone Tebet (MDB-MS), líder da bancada feminina no Senado
Foto: CNN Brasil (31.mai.2021)