CPI vai investigar possível financiamento ilegal para disseminar kit Covid

CPI da Pandemia deve, pela primeira vez, analisar requerimentos de quebra de sigilo telefônico, telemático, fiscal e bancário

Rachel Vargas, da CNN, em Brasília
09 de junho de 2021 às 20:46 | Atualizado 09 de junho de 2021 às 20:55
CPI da Pandemia aprovou convocação de Osmar Terra e de servidor do TCU
CPI da Pandemia aprovou convocação de Osmar Terra e de servidor do TCU suspeito de tentar alterar dados
Foto: Marcos Oliveira - 9.jun.2021/Agência Senado

Após pouco mais de um mês de trabalho, a CPI da Pandemia deve, pela primeira vez, analisar requerimentos de quebra de sigilo telefônico, telemático, fiscal e bancário. A ideia dos parlamentares é certificar se houve financiamento por parte de farmacêuticas e produtoras de insumos a grupos que propagandearam medicamentos para combater a Covid-19, como a cloroquina e a ivermectina, que mesmo após ineficácia comprovada foram defendidos por entidades médicas, autoridades e empresários.

O senador Rogério Carvalho (PT/SE), que também é médico, explicou que há conflitos éticos nessa prática, o que a tornam “criminosa”. “A gente precisa saber se tem algum financiamento da Indústria Farmacêutica à Associação Médica que defende o uso da cloroquina, da ivermectina, se tem esse financiamento que é ilegal”, relatou.

Para seguir essa linha de investigação, os senadores apostam na quebra de sigilo de entidades que defenderam o tratamento precoce, cujo requerimento deve ser votado nesta quinta-feira. Além disso, pretendem avançar sobre dados das empresas responsáveis pela produção da matéria-prima dos medicamentos do chamado kit Covid e, com isso, investigar o possível ganho do setor privado na insistência pelo tratamento precoce.

Alguns desses requerimentos foram apresentados pelo senador e ex-delegado Alessandro Vieira (sem partido). “Gerou-se um debate falso (tratamento precoce) que influenciou nas políticas públicas e no mercado privado”, explicou.

A CNN conversou com outros integrantes da CPI que confirmaram essa linha de investigação. Eles afirmam que as quebras podem indicar se houve favorecimento de empresas a entidades médicas, o que é considerado ilegal pela legislação médica.

Além disso, a CNN apurou que a CPI pretende avançar também sobre empresas de comunicação e propaganda, uma forma de mapear uma suposta rede de disseminação de "Fake news", o que teria contribuído na divulgação de desinformações sobre o tratamento precoce.

Os pedidos de quebra de sigilo deveriam ter sido analisados nesta quarta-feira (9), mas após apelo do líder do governo, senador Fernando Bezerra, a discussão ficou para a próxima sessão.

Dentre os pedidos, também serão analisados o da atual secretária de gestão do trabalho, Mayra Pinheiro; do ex-ministro da saúde Eduardo Pazuello; e do assessor especial para assuntos internacionais da presidência, Filipe Martins.

Além disso, a CPI quer rastrear ligações e troca de mensagens do anestesista Luciano Dias Azevedo, apontado como o idealizador da minuta de decreto que sugeria mudanças na bula da cloroquina, e considerado defensor do tratamento precoce.