Não impus nada para Queiroga, diz Bolsonaro sobre desobrigar máscara

Organização Mundial da Saúde defende suspensão apenas após fim da transmissão comunitária da doença

Anna Gabriela Costa, da CNN, em São Paulo
10 de junho de 2021 às 20:58
Bolsonaro
Foto: Reprodução/Facebook

Após afirmar que discutiu com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, sobre o fim da obrigatoriedade do uso de máscaras para quem já foi vacinado contra a Covid-19 e para quem já contraiu a doença, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse, em transmissão ao vivo pela internet nesta quinta-feira (10), que não impôs nada ao ministro; mas que sugeriu a implementação de um estudo para a medida. 

"Não impus nada para ele. É possível a Saúde apresentar um estudo da desobrigatoriedade da máscara? Ele [Marcelo Queiroga] falou é possível, vamos fazer isso, vamos ficar refém de máscara até quando?", disse Bolsonaro.

O presidente mencionou uma suposta afirmação do pesquisador Anthony Fauci, principal cientista dos Estados Unidos no combate ao novo coronavírus, em que ele defenderia a não obrigatoriedade do uso de máscaras. 

Em uma entrevista à CNN em 3 de junho, Fauci afirmou um certo arrependimento sobre um e-mail de fevereiro de 2020 minimizando a necessidade de usar máscaras. O e-mail foi enviado em um momento antes do novo coronavírus ser declarado uma pandemia e antes do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, aconselhar o público a usar máscaras para proteção.

"Ele vai fazer um estudo de modo que nós possamos orientar e sugerir a desobrigação do uso da máscara para quem já foi vacinado ou para quem já contraiu  o vírus. Não podemos viver numa opressão a vida toda. Até naqueles e-mails vazados do Dr.Fauci dizia que a máscara não tinha utilidade para quem não tinha o vírus, e mesmo assim, oferecia uma pequena segurança para quem tivesse na frente dele. Sabemos que o nosso protocolo é de que a pessoa contaminada tem que ficar em casa, separada do restante da família", afirmou Bolsonaro. 

Após os primeiros países optarem por autorizar a dispensa do uso de máscaras por pessoas vacinadas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu cautela aos governos. Segundo a OMS, a dispensa desses cuidados pode acontecer quando não há mais transmissão comunitária da doença e não depende apenas da vacinação contra a Covid-19.

“A pandemia não terminou, há muita incerteza com as novas variantes e precisamos manter os cuidados básicos para salvar vidas", afirmou Maria van Kerkhove, líder técnica para a Covid-19 da OMS.