Defesa de Roberto Dias irá ao STF acusar Omar Aziz de abuso de autoridade

Advogados de ex-diretor afirmam que senador se excedeu e descumpriu regimento ao determinar a prisão executada nesta quarta-feira (7) na CPI

Da CNN, em São Paulo
07 de julho de 2021 às 19:15 | Atualizado 07 de julho de 2021 às 19:28

 

A defesa de Roberto Dias, ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde preso pela CPI da Pandemia nesta quarta-feira (7) decidiu não esperar uma decisão técnica do comando do Senado e vai ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra a detenção.

Segundo apurou a analista de política da CNN Thaís Arbex, a defesa vai alegar que houve "abuso de autoridade" por parte do presidente da comissão, o senador Omar Aziz (PSD-AM), que determinou a prisão.

Os advogados também vão argumentar ao STF que a Ordem do Dia no Plenário do Senado já havia sido iniciada quando Aziz deu voz de prisão a Dias. Pelo regimento do Senado, comissões não podem funcionar simultaneamente com a Ordem do Dia, que é a fase de deliberação e votação de matérias no Plenário.

Prisão na CPI

O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito da Pandemia, senador Omar Aziz (PSD-AM), mandou prender o ex-diretor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde Roberto Dias, sob a alegação de falso testemunho.

Aziz já havia reclamado que o ex-servidor da Saúde estava se esquivando das perguntas formuladas pelos senadores. 

Enquanto respondia uma questão elaborada pelo senador Fabiano Contarato (Rede-ES), Roberto Dias foi interpelado por Eliziane Gama (Cidadania-MA), que alertou sobre uma reportagem da CNN que traz áudios que colocam em xeque a versão de encontro acidental entre Luiz Paulo Dominghetti e o ex-servidor da Saúde.

Roberto Dias na CPI da Pandemia
Foto: Gabriela Biló/Estadão Conteúdo