'Não aceito que a CPI vire chacota', diz Aziz após prisão de ex-diretor da Saúde

Presidente da CPI da Pandemia determinou a prisão do ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias

Daniel Fernandes, da CNN, em São Paulo
07 de julho de 2021 às 18:41 | Atualizado 07 de julho de 2021 às 18:54
Presidente da CPI da Pandemia, Omar Aziz
Presidente da CPI da Pandemia, Omar Aziz
Foto: Pedro França/Agência Senado

O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito da Pandemia, senador Omar Aziz (PSD-AM), afirmou nas redes sociais, no início da noite desta quarta-feira (7), após determinar a prisão de Roberto Ferreira Dias, ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde, que não aceitará que “a CPI vire chacota”.

“Não vamos ouvir historinha de servidor que pediu propina. E quem vier depor achando que pode brincar, terá o mesmo destino”, afirmou Aziz nas redes sociais. 

“Prender alguém não é uma decisão fácil. Mas, não aceito que a CPI vire chacota. Temos mais de 527 mil mortos nesta pandemia. E gente fazendo negociata com vacina. A Comissão busca fazer justiça pelo Brasil”, complementou. 

Pedido de prisão ocorreu após revelação de áudios

Roberto Dias foi surpreendido com seu pedido de prisão durante a sessão
Foto: Gabriela Biló/Estadão Conteúdo

Aziz mandou prender o ex-diretor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde Roberto Dias sob a alegação de falso testemunho.

Aziz já havia reclamado que o ex-servidor da Saúde estava se esquivando das perguntas formuladas pelos senadores. 

Enquanto respondia uma questão elaborada pelo senador Fabiano Contarato (Rede-ES), Roberto Dias foi interpelado por Eliziane Gama (Cidadania-MA), que alertou sobre uma reportagem da CNN que traz áudios que colocam em xeque a versão de encontro acidental entre Luiz Paulo Dominghetti e o ex-servidor da Saúde.

"Os áudios que temos do Dominghetti são claros", ressaltou Aziz.

Após a decisão do presidente da CPI, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) tentou reverter a situação alegando que outros depoentes também mentiram à comissão e não foram presos.

"Se ele fez o compromisso de falar a verdade e não falou, tem que ser preso. O erro é da comissão que não prendeu todos", avaliou Fabiano Contarato.

"Hoje acabou a paciência... Ele passou o tempo todo mentindo para a CPI. Chegou a hora de a CPI tomar uma decisão definitiva, senão não vamos conseguir que as pessoas falem a verdade nessa CPI", afirmou Rogério Carvalho (PT-PE).

Omar Aziz, no entanto, não atendeu o apelo dos colegas, manteve a decisão e encerrou a sessão.

"Tenho sido desrespeitado todos os dias com historinha aqui. Não aceito que a CPI vire chacota. Pessoas morrendo e eles brincando de negociar vacinas. Ele vai estar detido agora pelo Brasil, pelas vítimas sequeladas. Ele está preso e se eu estiver errado posso ser processado. Ele que recorra na Justiça, mas ele está preso e a sessão está encerrada. Podem levar", finalizou.