Defesa do pai do marido de Flordelis pede que ela continue sendo monitorada

Os advogados protocolaram pedido à justiça alegando que, sem tornozeleira eletrônica, ela pode dificultar o tramite processual

Lucas Janone, da CNN, no Rio de Janeiro
08 de julho de 2021 às 09:58 | Atualizado 08 de julho de 2021 às 11:08
Flordelis
Deputada federal Flordelis (PSD), acusada de envolvimento na morte do marido
Foto: Reprodução/Facebook (Flordelis)

A defesa do pai do pastor Anderson do Carmo pediu nesta quarta-feira (07) que a juíza Nearis dos Santos Carvalho Arce, da 3ª Vara Criminal de Niterói, desconsidere o pedido feito pela deputada federal Flordelis dos Santos de Souza para deixar de usar a tornozeleira eletrônica. A parlamentar usa o aparelho desde outubro de 2020. 

O documento foi protocolado pelos advogados junto ao Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ), após a defesa da deputada solicitar a remoção da tornozeleira eletrônica, na última quinta-feira (01), alegando problemas no equipamento.  

O advogado da família do pastor, Ângelo Máximo, afirmou à CNN que o histórico da deputada Flordelis, durante as investigações, ressalta a importância da manutenção do monitoramento eletrônico feito pela justiça.  

“O fato da ré Flordelis dificultar o tramite processual, permanecendo por quase 30 dias, em local incerto e não sabido, esquivando-se, de receber a citação e intimação da justiça levou este juízo a reafirmar a decisão que impôs a medida de monitoramento eletrônico”, destaca.  

A defesa de Flordelis pediu na última segunda-feira a retirada da tornozeleira eletrônica alegando que, por problemas no equipamento, ela acaba tendo que se deslocar com frequência a uma central da secretaria de administração penitenciária, o que exporia a parlamentar a riscos de transmissão da covid-19, segundo os advogados.   

Acusada de ser a mandante do assassinato de seu marido, Anderson do Carmo, em junho de 2019, a deputada federal Flordelis e mais nove filhos do casal devem ir a júri popular. Ainda não há data para a sessão. 

Procurada pela CNN, a assessoria da deputada federal Flordelis ainda não retornou o contato. O Tribunal de Justiça informou que ainda não tem a decisão sobre o caso.