TSE afasta presidente do Patriota e vice assume o partido

A decisão coloca em xeque os planos de filiação do presidente Jair Bolsonaro e sua família ao partido

Iuri Pitta
Por Iuri Pitta, CNN  
08 de julho de 2021 às 18:59
O presidente Jair Bolsonaro e Adilson Barroso, presidente nacional do Patriota
O presidente Jair Bolsonaro e Adilson Barroso, presidente nacional do partido Patriota
Foto: Marcos Corrêa/PR (24.abr.2019)

 O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) validou a convenção nacional do Patriota que decidiu pelo afastamento do presidente da legenda, Adilson Barroso, e tornou oficial a substituição no comando da sigla pelo vice, Ovasco Resende. A decisão dada coloca em xeque os planos de filiação do presidente Jair Bolsonaro e sua família ao partido.

Resende comandará o Patriota de forma interina, por 90 dias, contados a partir de 7 de julho. Barroso estará afastado neste período, para que o conselho de ética do partido avalie as medidas que ele tomou como preparação para viabilizar a entrada de Bolsonaro e seu grupo político.  O filho mais velho do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (RJ), assinou a ficha de filiação no fim de maio.

 

No dia 24 de junho, em convenção partidária, houve decisão unânime pelo afastamento de Barroso do comando do Patriota, sob alegação de ter feito mudanças irregularmente no partido para atender Bolsonaro. O grupo de Resende é contrário a ceder espaço na sigla em prol dos aliados do presidente.

Barroso contestou a validade da convenção na Justiça, e o caso precisou ser deliberado pelo TSE. Embora seja assinada pelo presidente da corte, ministro Luís Roberto Barroso, a decisão foi tomada pelo ministro Edson Fachin.