CPI da Pandemia será suspensa no recesso parlamentar e retorna dia 3 de agosto

Informação foi dada nesta quinta-feira (15) pelo vice-presidente da comissão, senador Randolfe Rodrigues

Daniel Fernandes, da CNN, em São Paulo
15 de julho de 2021 às 17:44 | Atualizado 15 de julho de 2021 às 19:29

No final da sessão desta quinta-feira (15) da CPI da Pandemia, o vice-presidente da comissão, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), informou que as sessões serão suspensas a partir de hoje para o recesso parlamentar -- que vai de 18 a 31 de julho --, e que serão retomadas apenas no dia 3 de agosto.

No dia 30 de junho, na chegada ao Senado para o depoimento do empresário Carlos Wizard, o presidente da CPI da Pandemia, Omar Aziz (PSD-AM), defendeu que o Congresso não entrasse em recesso para a continuidade dos trabalhos da comissão.

"Num momento em que todo dia está morrendo muita gente, não temos esse direito de ter recesso. A nossa obrigação é trabalhar sem parar", disse Aziz. "Depois que o Brasil voltar à normalidade, aí toda pessoa tem direito a férias, mas, nesse momento acho que os senadores não têm direito a isso". O pedido, porém, não foi atendido.

CPI prorrogada

Nesta quarta-feira (14), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), leu, no plenário da Casa, o requerimento de prorrogação dos trabalhos da CPI da Pandemia por mais 90 dias.

Inicialmente, a CPI da Pandemia, instalada no dia 27 de abril, seria encerrada no dia 7 de agosto, mas os trabalhos agora ocorrerão até outubro.

O regimento do Senado prevê que uma CPI pode ser prorrogada por até 90 dias se for apresentado um requerimento assinado por, pelo menos, um terço dos integrantes do Senado Federal. O documento foi apresentado por Randolfe Rodrigues, e continha as assinaturas necessárias para que fosse acatado.

Veja mais notícias do Brasil e do mundo na CNN.

Randolfe Rodrigues (vice-presidente), Renan Calheiros (relator) e Omar Aziz (presidente) em reunião da CPI da Pandemia
Foto: Jefferson Rudy - 29.abr.2021/Agência Senado