ACM Neto: é possível ter maioria legislativa sem negociar cargos

O presidente nacional do Democratas (DEM) e prefeito de Salvador afirmou que o partido não busca espaço no governo

Da CNN

Ouvir notícia

Em entrevista à CNN nesta quarta-feira (3), o presidente nacional do Democratas (DEM), o prefeito de Salvador, ACM Neto, falou sobre a relação do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) com os partidos conhecidos como “Centrão”.

Segundo ele, a legenda tem feito questão de mostrar que não compõe o Centrão, que não aceitará participar da negociação de cargos e, se outros partidos o estão fazendo, “eles que respondam por isso”.

“Acho, inclusive, ruim o governo federal adotar essa postura, sempre contestada pelo presidente da República, Jair Bolsonaro. É possível ter maioria no parlamento sem que se entregue cargos e espaços importantes”, afirmou.

ACM disse ainda que o Democratas é absolutamente independente e, desde que Bolsonaro se elegeu como presidente em 2018, deixou isso claro.

“O Democratas apoia a boa agenda do país e se sente à vontade para questionar aquilo que eventualmente necessita divergências”, falou.

  Assista e leia também:

  Líder do PP diz que aproximação do Centrão com Bolsonaro visa ‘estabilidade’

“Os três ministros que integraram o governo, agora são dois, o Onyx [Lorenzoni, ministro da Cidadania] e a Tereza [Cristina, ministra da Agricultura], foram de escolhas do presidente da República. Para mim, o presidente deve ter liberdade para compor o seu governo. O governo poderá ter um apoio do Democratas se admitir, ouvir conselhos e trabalhar com moderação”, afirmou.

O prefeito de Salvador falou também que enxerga “com muita preocupação” a relação atual entre o Executivo e o Judiciário, principalmente quando vê algumas pessoas do Executivo e até apoiadores de Bolsonaro questionando o Supremo Tribunal Federal (STF) e defendendo a extinção do poder Judiciário. 

“Para que a democracia funcione, é fundamental que os Três Poderes estejam fortalecidos, cada um cumprindo o seu papel e seguindo a Constituição”, avaliou.

Mais Recentes da CNN