Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Agora eu quero salvar este partido, diz Lula na volta de Marta ao PT

    Ex-prefeita retorna ao partido após um convite do presidente para compor a chapa de Guilherme Boulos à Prefeitura de São Paulo

    Lula e Marta durante o ato de filiação da ex-prefeita ao PT
    Lula e Marta durante o ato de filiação da ex-prefeita ao PT ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

    Douglas Portoda CNN

    São Paulo

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse, nesta sexta-feira (2), durante a cerimônia de filiação da ex-prefeita paulistana Marta Suplicy ao PT, que seu desejo, no momento, é salvar a sigla.

    Lula discursava sobre a necessidade do PT eleger mais parlamentares, como deputados, senadores e vereadores. Ele convidou Marta para compor como vice a chapa de Guilherme Boulos (PSOL) à Prefeitura de São Paulo.

    “O PT tem defeito, mas é o meu partido, é o nosso partido e nós vamos consertar o defeito. Pensem, direção, candidatos do partido, autoridades do partido, pensem como nós vamos dar a volta por cima, para termos mais deputados, mais senadores e mais vereadores. Pensem. Vamos discutir, vamos lançar as pessoas que querem ser”, declarou Lula.

    “Agora, eu quero salvar esse partido, que é a coisa mais importante que tem nesse país. Aí a minha ideia de trazer a Marta de volta”, prosseguiu.

    Segundo Lula, na última eleição municipal de São Paulo, candidatas para a Câmara Municipal não tinham panfletos para fazer campanha. Isso teria acontecido porque o fundo eleitoral foi “cooptado pelos deputados que têm mandato”.

    “Esse é um dado concreto e objetivo. Que me perdoe, quem tiver raiva de mim pode falar, eu já tenho 78 anos, já sou presidente pela terceira vez, eu já fiz mais do que eu imaginei que poderia fazer”, afirmou.

    Como PT pode ter mais parlamentares

    Para Lula, os candidatos não podem apenas se lançar para a disputa de cargos, mas devem ter qualidade para entrar no jogo político.

    “A gente não pode aceitar a política de fato consumado, eu quero me lançar e vou me lançar, eu quero me lançar, porque eu quero ser candidato, eu quero me lançar porque eu sou branco, eu quero me lançar porque eu sou mulher, eu quero me lançar porque eu sou negro, eu quero me lançar porque eu sou indígena. Está errado”, explicou.

    Caso isso não seja feito, em sua avaliação, não haverá crescimento do partido.

    “Se a gente não fizer isso, não vamos crescer. É preciso ter em conta que quem tem voto nesse país é o PT, não é a cara pessoa, de cada um de nós. Mas o cara acha que tem que colocar a cara dele na televisão dois segundos: ‘Eu sou fulano de tal’. Não dá.”

    No dia que o PT “recuperar a razão”, de acordo com o presidente, o partido vai obrigar todos os candidatos no lugar de colocar seu próprio nome, colocar símbolos petistas, “para ver se a gente consegue chegar nas eleições com a mesma votação que nós temos na pesquisa”.

    O partido tem que ter coragem. Não é o deputado federal que indica o candidato a vereador porque quer fazer dobradinha com ele depois. Não é o deputado estadual que indica o candidato a vereador. É o partido que indica os candidatos nesse país. Pelo amor de Deus, a história política desse país nunca teve um partido similar ao PT.

    Luiz Inácio Lula da Silva

    Lula compara Marta a Rivellino

    Citando uma derrota do Corinthians para o Palmeiras por 1 a 0 em 1974, quando o jogador Rivellino foi obrigado a deixar o clube do Parque São Jorge, Lula fez uma comparação do ex-atleta com Marta, que havia deixado o PT em 2015.

    “Ele nunca deixou de ser corintiano, até hoje velhinho, fazendo propaganda, ele continua corintiano. E nós corintianos nunca deixamos de ver o Rivellino como corintiano. Você é o nosso Rivellino da política, você continua no PT. Por isso é que foi importante trazer você de volta. Você deu muito para esse partido político”, citou Lula.

    Ainda foi colocada em jogo pelo chefe do Executivo a questão da eleição em 2014, quando Marta queria que ele fosse candidato no lugar da então presidente Dilma Rousseff (PT).

    “Ela falava assim; ‘Se você não for, a gente vai perder’. Eu falava: ‘Marta, eu não posso ser, porque a Dilma tem o direito de ser candidata à reeleição'”, relembrou.

    “Eu fui na casa dela num jantar, tinha 300 pessoas, ela queria anunciar meu nome. Eu falei: ‘Se você anunciar, eu vou embora, porque é um direito da Dilma ser candidata à reeleição.’ E a Dilma foi e ganhou e depois aconteceu o que nós sabemos”, continuou.

    Posteriormente, em 2016, Marta, que era senadora por São Paulo e estava no PMDB — hoje MDB, foi favorável ao impeachment de Dilma.

    Lula diz ter tido intuição sobre chapa Boulos/Marta

    Lula diz ter tido duas intuições sobre Marta. A primeira foi em 2004, quando ela disputava a reeleição à prefeitura.

    Na ocasião, segundo o presidente, ela não ganharia por ter feito benfeitorias para a população periférica de São Paulo.

    Agora, para que Boulos ganhasse a eleição, ele precisaria de Marta em sua chapa.

    Em uma reunião com a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, e outros dirigentes, alguns contrários à ex-prefeita, Lula afirmou ter dito: “Se a gente quiser ganhar as eleições em São Paulo, a gente vai ter que trazer a Marta de volta para o PT para ela ser vice do companheiro Boulos para ganhar a cidade de São Paulo.”