AGU defende no STF afastamento de professor do Colégio Militar que criticou a PM

Professor fez referência ao fascismo e criticou a violência policial em uma manifestação em São Paulo, durante uma videoaula do Colégio Militar de Brasília

Gabriela Coelho, da CNN, em Brasília

Ouvir notícia
pm protestos são paulo polícia militar
 
Foto: Amanda Perobelli/Reuters

A Advocacia-Geral da União apresentou uma manifestação ao Supremo Tribunal Federal (STF), nesta quinta-feira (18), em que defende o afastamento do professor que fez referência ao fascismo e criticou a violência policial em uma manifestação em São Paulo, durante uma videoaula do Colégio Militar de Brasília. 

Segundo a manifestação da AGU, no caso, o afastamento imediato e temporário do docente é uma medida necessária para proteger o profissional e, principalmente, para serenar os ânimos e preservar a ordem e a disciplina entre os membros da organização militar, que se viram seriamente abaladas após o incidente reportado.

  Leia também:

Recriação de ministério tira comunicação e publicidade de militares do Planalto

AGU se manifesta contra STF obrigar Maia a analisar impeachment de Bolsonaro

“Impõe frisar que o Comandante do Colégio Militar de Brasília desempenha, a um só tempo, as funções de comandante militar e de diretor de ensino, devendo manter a ordem, a disciplina e a hierarquia perante os militares e, também, zelar pelo fiel cumprimento das normas e regulamentos militares, sob pena de responsabilização penal, civil e administrativa”, disse a peça, assinada pelo advogado-geral da União, Levi Amaral.

Para a AGU, o dever de observância estrita aos imperativos de neutralidade e imparcialidade, indispensável a agentes incumbidos da atividade militar, justifica a imposição de restrições de liberdades e direitos inerentes ao regime castrense

“Diante de um arcabouço normativo disciplinar, o Comandante do Colégio Militar de Brasília, após tomar conhecimento dos fatos, viu-se legalmente compelido, sob pena de responsabilização como já frisado, a instaurar o procedimento administrativo pertinente ao caso, cujas regras se encontram consolidadas no Anexo IV do Regulamento Disciplinar do Exército”, afirmou a AGU em trecho da ação. 

De acordo com a AGU, as supostas declarações do docente, reportadas ao Comandante do Colégio Militar de Brasília, não apenas justificam como recomendam a abertura de procedimento administrativo para a apuração de eventual transgressão disciplinar. 

“De acordo como os esclarecimentos apresentados pelo Comandante do Colégio Militar de Brasília, o afastamento temporário das atividades docentes teve a finalidade de “proporcionar melhores condições para que professor possa exercer o contraditório e a ampla defesa no processo administrativo a que responde. Além disso, buscou-se a solução que carreasse para a distensão dos ânimos, contribuindo, assim, para a estabilidade educacional”, afirmou a AGU. 

Caso

O imbróglio teve início no dia 2 de junho, quando o professor de geografia do 9º ano disse que a PM agiu com “dois pesos e duas medidas” durante ato na capital paulista e afirmou que a situação “remete a um fascismo, que a gente não quer mais isso no mundo”. 

Segundo o Exército, o educador “foi temporariamente afastado das atividades docentes, para poder exercer o direito ao contraditório e à ampla defesa no processo administrativo a que responde”.

No dia 9 de junho, o ministro Gilmar Mendes solicitou informações ao comandante do Colégio Militar de Brasília e ao advogado-geral da União em relação a notícias sobre o afastamento e sobre a abertura de processo administrativo disciplinar (PAD) contra o professor em razão de opiniões emitidas em sala de aula.

O ministro é relator da ação em que o partido Rede Sustentabilidade argumenta que esses atos representam violação dos preceitos fundamentais de liberdade de expressão.

Mais Recentes da CNN