Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Popularidade de Lula não é afetada por embates econômicos

    Analista Caio Junqueira avalia que questionamentos sobre política fiscal do governo ainda não impactaram a população, segundo dados do Datafolha

    Da CNN

    Uma pesquisa divulgada pelo instituto Datafolha nesta terça-feira (18) mostrou que 40% dos entrevistados acreditam que a economia vai melhorar, enquanto 28% preveem uma piora e 27% acham que vai ficar igual.

    Para o analista de Política da CNN Caio Junqueira, os embates econômicos enfrentados pelo governo Lula ainda não afetaram sua popularidade junto à população brasileira.

    Junqueira aponta três possíveis razões para essa dissociação entre os questionamentos sobre a política fiscal e a avaliação popular do governo.

    Primeiro, os efeitos dos debates atuais sobre a condução da economia podem demorar a chegar à vida real da população. “Não são resultados e efeitos de imediato”, afirmou.

    Em segundo lugar, o governo atribui a “crise produzida” a grupos que sempre se opuseram ao PT, como mercado financeiro e empresários, que estariam buscando uma alternativa à direita para 2026.

    Por fim, os bons indicadores de inflação, renda e emprego podem estar compensando as dúvidas sobre os rumos da economia, impedindo que elas se reflitam na popularidade presidencial.

    “Enquanto toda essa dificuldade do governo, todo esse debate sobre a política econômica, os rumos do país, o equilíbrio das contas públicas não afetarem esses indicadores, dificilmente vai afetar a popularidade do presidente”, concluiu Junqueira.

    Apesar das controvérsias, o cenário traçado pelos questionamentos econômicos ainda não chegou “à ponta da população”, segundo Caio Junqueira.

    Os textos gerados por inteligência artificial na CNN Brasil são feitos com base nos cortes de vídeos dos jornais de sua programação. Todas as informações são apuradas e checadas por jornalistas. O texto final também passa pela revisão da equipe de jornalismo da CNNClique aqui para saber mais