Ao lançar pré-candidatura, Lula pretende reeditar discurso de quando teve casos anulados pelo STF

Em março do ano passado, Lula fez fortes críticas ao presidente Jair Bolsonaro (PL) e ao ex-juiz Sergio Moro (União Brasil), além de atacar a política econômica do atual governo

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) participou de evento em Sumaré (SP) nesta quinta-feira (5)
Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) participou de evento em Sumaré (SP) nesta quinta-feira (5) Matheus Reche/Uai Foto/Estadão Conteúdo

Thais Arbex

Ouvir notícia

No lançamento de sua pré-candidatura presidencial, no sábado (7), em São Paulo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pretende reeditar o discurso de quando teve casos da Lava Jato anulados pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Em março do ano passado, em seu primeiro pronunciamento depois da decisão do ministro Edson Fachin de anular suas condenações nos processos relativos à Lava Jato, Lula fez fortes críticas ao presidente Jair Bolsonaro (PL) e ao ex-juiz Sergio Moro (União Brasil), além de atacar a política econômica do atual governo.

Na ocasião, na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (SP), Lula, já em tom de campanha, dedicou grande parte de sua fala à economia. O petista afirmou que “Bolsonaro não junta ninguém” e “um presidente tem que conversar com os empresários, e me parece que o Bolsonaro só conversa com o louro da Havan”.

“Eu tinha um conselho com 100 pessoas. Participavam os dirigentes dos sindicatos, os grandes empresários, participava índio, participava pastor da igreja evangélica, participava padre, participava bispo, participava negro. Porque eu queria ouvir a sociedade. Nós fizemos, no meu mandato, 74 conferências nacionais pra ouvir o que a sociedade queria”, disse, emendando: “não tenham medo de mim. Eu sou radical. Eu sou radical porque eu quero ir à raiz dos problemas desse país”.

Segundo relatos feitos à CNN, a ideia é que apenas o ex-presidente e o seu companheiro de chapa, Geraldo Alckmin (PSB), falem no evento. De acordo com dirigentes do PT, assim como em março do ano passado, Lula também levará ao ato de sábado um discurso escrito. O texto tem sido lapidado nos últimos dias, segundo aliados do petista.

Além de evitar falas de improviso com potencial de causar danos à pré-campanha –como as que aconteceram recentemente–, a ideia de Lula levar um discurso escrito é, de acordo com integrantes do PT, para garantir que a fala esteja em grande parte dedicada a questões econômicas. O ex-presidente, disseram aliados à CNN, pretende também elencar motivos pelos quais ele decidiu ser novamente candidato ao Palácio do Planalto –e neste ponto a fala do ano passado também será rememorada.

Debate

CNN realizará o primeiro debate presidencial de 2022. O confronto entre os candidatos será transmitido ao vivo em 6 de agosto, pela TV e por nossas plataformas digitais.

Mais Recentes da CNN