Ato virtual contra Bolsonaro reúne Huck, Marina, Ciro e Haddad

No entanto, os principais nomes do PT ficarão de fora, embora tenham sido convidados. Petistas graduados reclamam da presença de quadros do partido

Ex-ministro Fernando Haddad, durante entrevista para a CNN (13.abr.2020)
Ex-ministro Fernando Haddad, durante entrevista para a CNN (13.abr.2020) Foto: CNN Brasil

Do Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

Um ato virtual contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), convocado pelo movimento Direitos Já, deve reunir ao menos 100 políticos, sendo 13 presidentes de partidos, da esquerda à direita, ex-presidenciáveis e coordenadores de outros grupos de defesa da democracia. No entanto, os principais nomes do PT ficarão de fora, embora tenham sido convidados.

Os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff e a presidente do PT, deputada Gleisi Hoffmann, decidiram não participar do ato, que terá a presença de Fernando Haddad, candidato da sigla derrotado em 2018, e outros nomes que concorreram à Presidência: Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) e Guilherme Boulos (PSOL).

Reservadamente, petistas graduados reclamam da presença de Haddad e de outros quadros do partido no ato. A avaliação é que o PT não deve estar no mesmo palanque virtual ex-adversários históricos da sigla, como o PSDB. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso é um dos tucanos confirmados, ao lado do presidente do partido, Bruno Araújo. Outro que se comprometeu com a organização foi o apresentador Luciano Huck, cotado como possível candidato à Presidência em 2022.

Temer

Os ex-presidentes Michel Temer (MDB) e José Sarney (MDB) chegaram a confirmar presença, mas desistiram. Temer enviou um vídeo, mas depois pediu que a gravação não fosse usada. O evento reunirá Ciro Gomes e Haddad no momento que PT e PDT travam uma disputa política no campo da esquerda nas eleições municipais.

Assista e leia também:

PF faz operação que mira suspeitos de divulgar dados de Bolsonaro

Mourão elogia sinais de moderação de Bolsonaro

Mercado, questão racial e universidades: o que pensa o novo ministro da Educação

Segundo o coordenador do movimento Direitos Já, Fernando Guimarães, não existe no grupo consenso sobre o impeachment. No evento, cada convidado vai poder falar por dois minutos no máximo. Além de Haddad, estão confirmados outros petistas: o vereador Eduardo Suplicy, os deputados Alexandre Padilha, Paulo Teixeira e Erika Kokay, os governadores do Ceará, Camilo Santana e do Piauí, Wellington Dias.

“A história do Brasil mostra que a esquerda e direita compuseram várias vezes para ganhar eleições, portanto é de se esperar que se unam para garantir a democracia” disse Guimarães.

Expulso do PSDB por aliados do governador João Doria, o líder do movimento não convidou o chefe do executivo paulista mas chamou outros governadores do partido, inclusive Eduardo Leite (PSDB-RS), que confirmou presença.

Mais Recentes da CNN