Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Aumento de mulheres no Exército é “projeto a longo prazo”, dizem oficiais

    Oficiais-generais lamentaram a forma como o parecer jurídico foi escrito e avaliam que era necessária uma explicação "menos técnica" para justificar a restrição

    Jussara SoaresLarissa Rodriguesda CNN Brasília

    Diante da repercussão negativa sobre as restrições impostas às mulheres para ingresso no Exército, integrantes da Força Armada alegam que o aumento da presença feminina nas carreiras militares se trata de “um projeto a longo prazo.”

    Argumentam ainda que é preciso uma adaptação — até mesmo da estrutura dos quartéis — para receber um contingente feminino maior.

    Oficiais-generais lamentaram a forma como o parecer jurídico foi escrito e avaliam que era necessária uma explicação “menos técnica” para justificar a restrição. O texto aponta “fisiologia feminina” como limitador para acesso de mulheres ao Exército.

    “É necessário reconhecer que a fisiologia feminina, refletida na execução de tarefas específicas na zona de combate, pode comprometer o desempenho militar em operações de combate, dependendo do ambiente operacional”, diz o parecer do Exército.

    Ainda de acordo com o Exército, as atividades militares relacionadas ao combate — caso da infantaria, cavalaria e artilharia — possuem elevado nível de exigência, incluído força muscular, potência anaeróbica e resistência física.

    “Baixo nível de aptidão física […] expõe aqueles menos preparados a riscos, limita a prontidão da unidade, aumenta o número de hospitalizações e de afastamento das atividades funcionais. Os estudos também demonstram que as mulheres militares podem ter duas a três vezes mais chance de terem lesões e fraturas”, completa.

    Em caráter reservado, oficiais rebatem as críticas dizendo que a exigência física das atividades militares não podem ser comparadas a de outras carreiras como magistratura, por exemplo.

    Militares argumentam ainda que há necessidade até mesmo de adaptações nas estruturas do Exército para receber um aumento do contingente feminino, o que ainda não há previsão de ocorrer. Por exemplo, ampliar espaços, como dormitórios para mulheres.

    A prioridade do Exército, neste momento, é a construção da Escola de Sargentos da Zona da Mata, cujo termo de compromisso foi assinado na semana passada em Pernambuco com a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

    A possibilidade de mulheres ingressarem na Academia Militar das Agulhas Negras (Aman) só ocorreu após a aprovação de uma lei em 2012. A proposta partiu da ex-presidente Dilmar Rousseff (PT).

    As primeiras mulheres oficiais, que entraram na Aman, em 2018, só se formaram em 2021. Elas correspondem a 10% do total de 400 cadetes que ingressam na academia todos os anos.

    Atualmente, mulheres só podem se especializar nas armas (atividades) de Intendência, Material Bélico e Comunicações, que, segundo o Exército, não demandam o manuseio de equipamentos pesados.

    De acordo oficiais, com o tempo será possível preparar fisicamente aquelas mulheres que demonstrarem interesse em estar à frente da linha de combate do Exército. Ou seja, poderiam ingressar nas armas de Artilharia, Cavalaria, Infantaria e Engenharia.

    Porém, não há prazo de quando isso irá ocorrer.