Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Bolsonaro diz à PF que não foi levantado nenhum plano para gravar Moraes; leia a íntegra do depoimento

    Ex-presidente explica que participou de uma reunião com o senador Marcos do Val e com o ex-deputado Daniel Silveira, em 8 de dezembro de 2022, no Palácio da Alvorada

    Douglas PortoTeo Curyda CNN

    em São Paulo e Brasília

    O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) disse, nesta quarta-feira (12), em depoimento à Polícia Federal (PF), que durante a reunião com o senador Marcos do Val (Cidadania-ES) e com o ex-deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ), não foi levantado nenhum plano para gravar o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Leia a íntegra do depoimento abaixo.

    Conforme Bolsonaro, o encontro com Do Val e Silveira aconteceu no dia 8 de dezembro de 2022, no Palácio da Alvorada, por cerca de 20 minutos. Ao solicitar a reunião, o ex-deputado afirmou que o senador também queria tratar algo sobre Moraes, mas que não foi adiantado nenhum detalhe.

    A defesa do ex-chefe do Executivo enfatizou durante a oitiva que nunca havia acontecido nenhuma audiência privada com Do Val. Os advogados também esclareceram que os dois não tinham nenhum tipo de relação pessoal.

    Bolsonaro expôs que não foi levantada a possibilidade de participação de militares ou de integrantes do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) na ocasião.

    Ainda de acordo com o ex-presidente, não foi dito nada sobre Moraes, citando que sempre permaneceu dentro das quatro linhas da Constituição.

    Leia a íntegra do depoimento de Bolsonaro:

    RESPONDEU: QUE perguntado se participou do encontro com o senador Marcos do Val e Daniel Silveira, ocorrido em 8 de dezembro de 2022, nas dependências do Palácio Presidencial, respondeu que sim; QUE o encontro foi no Palácio da Alvorada; QUE recebeu um telefonema de Daniel Silveira informando que o senador Marcos do Val gostaria de falar com o declarante; QUE não teve contato anterior com o senador Marcos do Val;

    QUE quem solicitou a reunião foi Daniel Silveira; QUE o declarante como presidente da República, recebia a todos que solicitassem alguma audiência; QUE indagado se Daniel Silveira adiantou que seria tratado algo sobre ministro Alexandre de Moraes, o declarante respondeu que, segundo Daniel Silveira, o senador Marcos do Val também gostaria de tratar sobre algum assunto referente ao ministro, sem nenhum outro detalhe ou conotação pessoal;

    QUE, nesse momento, a defesa enfatiza que, até então, o declarante nunca havia se reunido pessoalmente com o senador Marcos do Val; QUE afirma nunca ter tido nenhuma audiência privada, nem relação pessoal com o senador Marcos do Val; QUE Daniel Silveira era da base do governo: QUE não sabe ao certo se a iniciativa da reunião foi do senador Marcos do Val ou de Daniel Silveira:

    QUE não foi levantada possibilidade de participação de militares, nem de integrantes do Gabinete de Segurança Institucional (GSI); QUE participaram da reunião apenas o Ex-presidente Jair Bolsonaro, Daniel Silveira e o senador Marcos do Val, durando aproximadamente 20 minutos;

    QUE indagado se houve algum plano para gravar o ministro Alexandre de Moraes ou a prática de algum ato antidemocrático, respondeu que não foi levantado nenhum plano, nenhum ato preparatório, sequer de gravar o ministro Alexandre de Moraes, que o declarante afirma que sempre permaneceu dentro das quatro linhas do texto da Constituição Federal;

    QUE, inclusive, nada foi falado sobre o ministro Alexandre de Moraes: QUE desconhece que o senador Marcos do Val teria sido recrutado por Daniel Silveira, mas que ouvia de Daniel Silveira que o senador teria algo para mexer com a República; QUE, após tal reunião, não se recorda se houve algum contato com Daniel Silveira, nem mesmo com o senador Marcos do Val;

    QUE não tinha conhecimento àquela época, de que o senador Marcos do Val tivesse reportado a reunião a alguém ou a alguma comissão (CCAI); QUE somente soube, já em 2023, pela imprensa e pela live do senador Marcos do Val, que o senador Marcos do Val havia procurado o ministro Alexandre de Moraes para reportar sobre a realização da reunião com o declarante;

    QUE, no encontro com Daniel Silveira e o senador Marcos do Val, no dia 08 de dezembro de 2022 não foi falado sobre equipamentos de escuta ou gravação; QUE, após a reunião, sem saber precisar a data, recebeu uma mensagem de Marcos do Val onde o senador encaminhou print de mensagem, originariamente enviada ao ministro Alexandre de Moraes, conforme subitem XII da RAPJ n° 05/2023;

    QUE, nessa mensagem, o senador Marcos do Val disse ao ministro Alexandre de Moraes que o presidente não estaria fazendo nada de errado, mas que Daniel Silveira estaria tentando convencê-lo a prosseguir na execução de algum plano;

    QUE, por essa razão, o declarante respondeu “coisa de maluco”, uma vez que não havia entendido a mensagem, conforme subitem XVI da RAPJ n° 05/2023, transcrito a seguir: “Boa noite. Ministro! Desculpa incomodá-lo no seu horário de descanso. Acabei de pousar no meu Estado, só retorno para Brasília na próxima terça-feira. Mas preciso adiantar uma parte do encontro que considero de alto grau de importância. Quem está fazendo toda a movimentação com objetivo de levá-lo a perda de função de ministro e até ser preso, é o DS. O PR não está fazendo nenhum movimento nesse sentido. O D$ que está tentando convencê-lo, dizendo ao PR que eu conseguiria adquirir as peças fundamentais para que a missão fosse um sucesso(…)”;

    QUE o declarante afirma que achou a mensagem sem nexo; QUE acredita que esta mensagem foi encaminhada pelo Senador, a fim de mitigar o desgaste político que teria com o declarante, por conta das diversas versões contraditórias publicadas e veiculadas sobre esses fatos; QUE a defesa deixa registrado que não teve acesso à integralidade do material produzido nesta investigação, ressaltando, inclusive, que o depoimento do Senhor Daniel Silveira somente foi disponibilizado minutos antes do presente depoimento.

    Nada mais havendo, este Termo de Declarações foi lido e, achado conforme, assinado pelos presentes.