Bolsonaro não constrangeu Moro durante reunião, avalia senador Fernando Bezerra

Líder do governo no Senado avaliou a repercussão do material divulgado na última sexta-feira (22)

Ouvir notícia

Em entrevista exclusiva à CNN, o senador Fernando Bezerra (MDB-PE), líder do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no Senado, avaliou que a divulgação do vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril demonstrou que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não constrangeu o ex-ministro Sergio Moro. A gravação foi liberada pelo ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, que investiga a acusação de Moro de que Bolsonaro interferiu na Polícia Federal.  

“É importante que a gente recupere a razão do vídeo ter sido divulgado. Foi um dos elementos de prova por parte do ex-ministro Sergio Moro para caracterizar o constrangimento ou tentativa de interferência por parte  do presidente Bolsonaro em relação à Polícia Federal. De forma cabal, a divulgação do vídeo demonstrou que o presidente, em nenhum momento, criou constrangimento na reunião para o ex-ministro e em nenhum momento falou de Polícia Federal.”

Leia também:

Braço-direito de Aras não vê provas em vídeo e contesta entrega de celular a STF
Ex-ministro, Moro afirma que não teve apoio de Bolsonaro em agenda anticorrupção
Moraes desmente fake news sobre pedido de sniper em ato pró-Bolsonaro

“Acredito que a oportunidade da divulgação vai levar que a PGR possa opinar pelo arquivamento do inquérito que foi aberto. Do ponto de vista jurídico e político foi muito importante a divulgação do vídeo pois veio para reforçar todas as palavras do presidente a respeito deste episódio”, afirma. O senador também avalia que o fato de ser Moro quem acusa o presidente não deve ter relevância extra.

“Na realidade, o que nós estamos vendo é que os argumentos apresentados pelo ex-ministro não apresentam nenhuma prova, isso está ficando evidente. Em relação a outros pontos do vídeo, realmente tem preocupado e gerado muitas críticas entre colegas deputados e senadores, principalmente as falas do ministro da Educação, Abraham Weintraub“, pondera.

“Fora os excessos verbais, que em uma reunião privada é natural que ocorra, acredito que a única fala fora de todo o contexto que caracteriza uma agressão tanto ao Congresso quanto ao Supremo, foi a fala do ministro da Educação. Acredito que a reunião toda se caracterizou como de trabalho. O presidente cobrava fidelidade da equipe para que os ministros não ficassem só no anúncio das coisas positivas, mas que viessem também para defender o presidente nos momentos que ele estaria sendo atacado pelos adversários ou imprensa”, disse.

Plano Pró-Brasil

O vídeo confirma o embate entre os ministros da Economia, Paulo Guedes, e do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, sobre o Plano Pró-Brasil. A disputa entre os dois foi revelada pela CNN. Durante a reunião, Guedes ataca diretamente Marinho ao criticar o Plano. “O discurso é conhecido: acabar com as desigualdades regionais. Marinho, claro, está lá, são as digitais dele”, disse o ministro da Economia. “É bonito isso, mas isso é o que o Lula, a Dilma estão fazendo há trinta anos”.

Para o senador, a divulgação do material ‘serviu para emponderar ainda mais o ministro da Economia’ e que este embate foi considerado normal para a reunião.

“Nós estamos nos endividando para proteger as pessoas, para levar o auxílio emergencial, a proteção que está chegando para os trabalhadores com carteira assinada, todo investimento para área da saúde, as linhas de crédito. Guedes chama atenção para o ano que vem, para mostrar ao mundo que o governo vai retomar a sua postura de responsabilidade fiscal e equilíbrio das contas públicas após o momento de crise causado pelo novo coronavírus. E que ele, portanto, não é contra nenhum programa de investimento, mas pede moderação”, disse. 

 

Mais Recentes da CNN