Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Campos Neto: Lula tem mais paciência para reuniões; Bolsonaro ficava disperso após 3 minutos

    Presidente do Banco Central disse que aprendeu a identificar e a se comunicar de acordo com a característica de cada um deles

    O presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto
    O presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados

    Estadão Conteúdo

    Com apenas duas reuniões com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) –uma ainda durante o governo de transição–, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse identificar uma grande diferença entre o petista e o antecessor, Jair Bolsonaro (PL), que o escolheu para comandar a autoridade monetária.

    Lula é melhor ouvinte do que o ex-presidente, conforme relatou Campos Neto ao programa “Conversa com Bial”, da TV Globo, exibido na madrugada desta terça-feira (3).

    Veja também: Lula e Campos Neto fazem primeira reunião

    “Eu só conversei com Lula duas vezes. Uma no final do ano passado [durante o governo transição] e agora mais recentemente. Lula gasta mais tempo prestando atenção no que você fala e dedica mais tempo, tem mais paciência para as conversas”, descreveu Campos Neto, que se reuniu com o presidente pela primeira vez depois da posse na semana passada, após quase nove meses de mandato.

    “Bolsonaro era mais rápido. Eu sempre sabia que, quando tinha uma conversa com Bolsonaro, eu tinha três minutos para falar alguma coisa. Depois ia ser mais difícil porque ele ficava mais disperso”, relatou.

    O presidente do BC disse que aprendeu a identificar e a se comunicar de acordo com a característica de cada um deles. O encontro no Palácio do Planalto com Lula durou uma hora e meia e Campos Neto disse que ouviu mais do que falou.

    “Achei que, desta vez, era mais importante ouvir mais e falar menos”, disse ele, que foi muito criticado por Lula durante o ano por demorar a iniciar os cortes da taxa básica de juros.

    Nesse período de críticas, Lula chegou a chamar Campos Neto de “esse rapaz”, “esse cidadão”, e o descreveu como alguém que não entendia muito do Brasil e dos brasileiros.

    O comandante da autoridade monetária diz ser “possível” que outras reuniões aconteçam, mas explicou que nada ficou previamente marcado.

    Campos Neto voltou a dizer que, desde o começo do atual mandato, sempre se colocou à disposição para conversar com Lula e que decidiu mandar um ofício solicitando um encontro para ter registro e não deixar parecer que fosse uma resistência de sua parte.

    “O presidente da República é o presidente da República, é importante a gente conversar, ouvir o outro lado”, justificou.

    O jornalista Pedro Bial perguntou como Campos Neto usou o tempo durante os 68 minutos em que aguardava numa antessala antes de ser atendido por Lula. O presidente do BC disse que “não foi tudo isso, não”, mas que conversou com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e outros interlocutores.

    Haddad foi quem fez a aproximação entre as partes. “Tenho um relacionamento muito bom com o ministro Haddad”, disse Campos Neto.