Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Caso Marielle: Moraes libera denúncia para julgamento no STF

    Irmãos Brazão e delegado Rivaldo Barbosa foram denunciados pela PGR por homicídio e organização criminosa

    Na imagem: os denunciados Chiquinho Brazão, Domingos Brazão e Rivaldo Barbosa
    Na imagem: os denunciados Chiquinho Brazão, Domingos Brazão e Rivaldo Barbosa Agência Cãmara/Alerj/Redes Sociais

    Henrique Sales Barrosda CNN

    São Paulo

    O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou, nesta terça-feira (11), a denúncia do caso Marielle Franco para julgamento.

    A denúncia será julgada – ainda sem data definida – pela Primeira Turma do STF, composta por Moraes, relator da ação, e os ministros Luiz Fux, Cármen Lúcia, Cristiano Zanin e Flávio Dino.

    A Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou, em maio, os irmãos Chiquinho e Domingos Brazão, e Rivaldo Barbosa, presos preventivamente deste março.

    Se a denúncia for aceita pela Primeira Turma do Supremo, os três passarão a responder como réus. Todos eles negam as acusações.

    O inquérito no STF se debruça sobre quem foram os mandantes do assassinato que vitimou a então vereadora fluminense Marielle e seu motorista, Anderson Gomes, em 2018.

    Os irmãos Brazão, que teriam sido os mandantes do crime, foram denunciados por homicídio e organização criminosa.

    Já o delegado da Polícia Civil Rivaldo Barbosa, que teria atrapalhado as investigações, foi denunciado por homicídio.

    O inquérito chegou STF enviado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), após ser apontado o suposto envolvimento de um deputado – neste caso, Chiquinho – no assassinato

    Sob a relatoria de Moraes, foi homologada a delação do ex-policial militar Ronnie Lessa, réu confesso pelo assassinato de Marielle e Anderson, em meados de março. No final do mês, Moraes determinou a prisão preventivamente dos irmãos Chiquinho e de Rivaldo Barbosa.