Centrão se articula para frear reeleição de Maia e Alcolumbre

Partidos avaliam pressionar Supremo contra possibilidade de aval à recondução dos chefes da Câmara e do Senado

Daniel AdjutoRenata Agostinida CNN

da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

 

Um grupo de partidos do Centrão articula um movimento para tentar pressionar o Supremo Tribunal Federal (STF) a barrar a possibilidade de reeleição do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). 

Lideranças de alguns dos principais partidos de centro discutem ingressar com um pedido no Supremo Tribunal Federal para que a corte analise presencialmente a ação que pode autorizar a reeleição dos presidentes das duas casas do Congresso Nacional.

Leia e assista também

Por reeleição no Congresso, STF deve considerar ilegal veto da Constituição

Em carta a STF, siglas dizem que reeleição no Congresso seria ‘casuísmo tacanho’

O julgamento que começa na próxima sexta-feira (4) está previsto para ocorrer no plenário virtual. A ideia dos partidos é pedir ainda que o Supremo autorize a participação deles como partes interessadas nessa ação — é o que se chama de amicus curiae no jargão jurídico.

As conversas começaram na segunda e seguiram ao longo da manhã desta terça. Trata-se de uma reação do grupo às notícias de que a tendência no Supremo hoje é dar aval à reeleição de Maia e Alcolumbre. O PP, o PL, o PSL e o Republicanos, por exemplo, estão debatendo a adesão ao grupo. Todas esses partidos abrigam pré-candidatos à presidência da Câmara.

 “A democracia não é só fustigada através de palavras. Mas fustigada também através de decisões e de pareceres que são realmente comprometedores”, disse à CNN o presidente da sigla, Luciano Bivar, ao explicar que o partido quer acompanhar de perto a ação. 

Rodrigo Maia, presidente da Câmara, e Davi Alcolumbre, presidente do Senado
Rodrigo Maia, presidente da Câmara, e Davi Alcolumbre, ao fundo, presidente do Senado
Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado

 

 

Mais Recentes da CNN