Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Quem discursa, quem canta, quem irá: saiba horário e detalhes da cerimônia sobre um ano do 8 de janeiro

    Ataques às sedes dos Três Poderes completa um ano nesta segunda-feira (8); veja o roteiro da cerimônia 

    Lira, Lula e Pacheco vão falar na cerimônia sobre um ano dos ataques aos Três Poderes
    Lira, Lula e Pacheco vão falar na cerimônia sobre um ano dos ataques aos Três Poderes 01/01/2023 - Jefferson Rudy/Agência Senado

    Maria Clara Matosda CNN*

    São Paulo

    Nesta segunda-feira (8), centenas de pessoas são esperadas em Brasília para o evento “Democracia Inabalada”, cerimônia sobre o um ano do 8 de janeiro.

    O evento contará com a presença dos chefes dos Três Poderes, como o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Governadores de partidos de oposição ao governo não devem comparecer.

    A cerimônia acontecerá no Salão Negro do Congresso Nacional a partir das 15h.  

    Quando começa a cerimônia? 

    A cerimônia está prevista para começar às 15h, horário de Brasília. Para abrir a cerimônia, a ministra da Cultura, Margareth Menezes, deve cantar o Hino Nacional.

    Quem falará na cerimônia? 

    A primeira autoridade a discursar na cerimônia do 8 de janeiro será a governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT), seguida do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes.  

    O presidente do Supremo Tribunal Federal, Luís Roberto Barroso, e o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), e do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco (PSD), serão os próximos. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deve ser o último a discursar.  

    Os discursos estão previstos para ter, no mínimo, cinco minutos de duração durante a cerimônia.

    Como será o discurso de Lula? 

    Segundo a analista de política da CNN Jussara Soares, o discurso de Lula deve enfatizar a defesa da democracia. 

    Idealmente, o presidente deve seguir o roteiro e evitar improvisos.  

    Por que Fátima Bezerra será a única governadora a falar? 

    Fátima Bezerra será a única governadora a discursar na cerimônia. Ela é suplente do presidente no Fórum dos Governadores, o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), que está em férias. 

    O pronunciamento de Fátima Bezerra possivelmente irá criticar os responsáveis pelos ataques, além de seus apoiadores. 

    O que será entregue na cerimônia? 

    Uma tapeçaria de Burle Marx, danificada nos ataques, e uma réplica da Constituição Federal de 1988. 

    A tapeçaria de Burle Marx foi criada em 1973. A obra voltou ao Senado após um trabalho de restauração.

    Já a Constituição foi furtada da sede do Supremo Tribunal Federal e recuperada sem danos. 

    Quais autoridades já confirmaram presença? 

    Mais de 500 convidados são esperados. Além dos chefes dos Poderes, também são aguardadas figuras políticas como o vice-presidente Geraldo Alckmin e o procurador-geral, Paulo Gonet. 

    Ao menos 22 ministros de Lula confirmaram presença na cerimônia. 

    • Fernando Haddad, ministro da Fazenda  
    • Nísia Trindade, ministra da Saúde  
    • Rui Costa, ministro-chefe da Casa Civil  
    • Paulo Pimenta, ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social  
    • Luiz Marinho, ministro do Trabalho  
    • Simone Tebet, ministra do Planejamento 
    • Marina Silva, ministra do Meio Ambiente e Mudanças Climáticas 
    • Silvio Almeida, ministro dos Direitos Humanos 
    • Anielle Franco, ministra do Igualdade Racial 
    • Sônia Guajajara, ministra dos Povos Originários 
    • Wellington Dias, ministro do Desenvolvimento Social 
    • José Múcio, ministro da Defesa 
    • Luciana Santos, ministra da Ciência e Tecnologia 
    • Renan Filho, ministro de Transportes 
    • Márcio França, ministro da Micro e Pequenas Empresas 
    • Juscelino Filho, ministro das Comunicações 
    • Waldez Góes, ministro da Integração e Desenvolvimento Regional 
    • Jader Filho, ministro das Cidades 
    • Mauro Vieira, ministro das Relações Exteriores 
    • Alexandre Padilha, ministro das Relações Institucionais 
    • Jorge Messias, advogado-geral da União 
    • Vinícius Marques de Carvalho, ministro da Controladoria-Geral da União 

    Também estarão presentes governadores da oposição, como Eduardo Leite (PSDB-RS) e Raquel Lyra (PSDB-PE).

    Presidente do STF à época dos ataques, a ministra aposentada Rosa Weber também é esperada.

    Pelo menos seis ministros do STF devem comparecer à cerimônia: Alexandre de Moraes, Cristiano Zanin, Edson Fachin, Gilmar Mendes, Cármen Lúcia, além do atual presidente da Corte, Luís Roberto Barroso. 

    Como o STF irá relembrar os ataques de 8 de janeiro? 

    Uma hora antes do início da solenidade, às 14h, a exposição “Após 8 de janeiro: Reconstrução, memória e democracia” será inaugurada no Hall dos Bustos, e os ministros da Corte também estarão presentes.  

    Barroso abre a mostra, que vai estar aberta ao público a partir da terça-feira (9), das13h às 17h no térreo do Edifício-Sede do STF, em Brasília. 

    A exposição exibe peças e obras danificadas pelos ataques, contemplada pelo projeto Pontos de Memória”, e os esforços das equipes envolvidas na reconstrução e restauração do patrimônio do Supremo.

    Como será feita a segurança do evento?

    Ao menos 2.000 agentes da Polícia Militar do DF irão atuar nas ruas de Brasília e 250 agentes da Força Nacional estarão a postos no edifício do Ministério da Justiça. Agentes da Polícia Federal (PF) e da Polícia Rodoviária Federal (PRF) também devem atuar na ocasião.

    O esquema de segurança foi acertado entre o ministro da Justiça em exercício, Ricardo Cappelli, e a governadora em exercício do Distrito Federal, Celina Leão (PP).