Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Chuvas no RS: Casa Civil pede para prefeitos enviarem levantamentos dos danos causados

    Ministro Rui Costa também anunciou que o governo vai subsidiar crédito para pequenas empresas afetadas

    João Rosada CNNGabriel Garciada CNN*

    Brasília

    O ministro da Casa Civil, Rui Costa, pediu para que os prefeitos do Rio Grande do Sul enviem para o governo federal levantamentos dos danos causados pelas fortes chuvas que atingiram o estado.

    De acordo com o ministro, a estimativa será utilizada para que o governo possa destinar os recursos necessários para a reconstrução das cidades.
    “Precisamos ter noção do quanto foi estragado, o valor a enviar precisa ser a partir do quanto foi estragado.

    Se nos precipitarmos podemos subestimar o valor a ser enviado”, afirmou Rui Costa nesta quarta-feira (8).

    O ministro também afirmou que foi aberto um cadastro para que os prefeitos das cidades atingidas possam colocar uma projeção dos danos causados em escolas e hospitais.

    Rui Costa ainda afirmou que será aberto um sistema para que os prefeitos possam inserir uma estimativa das casas que precisarão ser reconstruídas no Estado.

    “O ministro Jader Filho vai abrir a inscrição para a gente ter uma prévia daqueles que vão precisar de construção de casas. Ele vai fazer uma reunião com todos os prefeitos do Rio Grande do Sul, onde ele já anunciará que os prefeitos poderão entrar no sistema do ministério e já registrar a quantidade de casas que precisarão ser construídas para repor as residências levadas pela água”, complementou o ministro da Casa Civil.

    Linha de crédito

    Segundo o ministro, o governo deve desenvolver uma nova linha de crédito para ajudar na reconstrução do Rio Grande do Sul. A expectativa é de que a nova modalidade de crédito seja apresentada na quinta-feira (9).

    “Serão modalidades diferenciadas para pequenos comerciantes e grandes empresários”, afirmou o ministro.

    De acordo com Rui Costa, a linha de crédito será diferente para pequenos e grandes empresários. Para os comerciantes e produtores rurais de menor porte, o financiamento será oferecido por meio de subvenção. Já para os grandes empresários será dado um crédito com base em um fundo garantidor para oferecer menores taxas de juros.

    “No desastre passado, nós fizemos com subvenção para aqueles segmentos mais necessitados, microempresas e produtores Rurais, vamos manter esse parâmetro. Para os maiores, será usado modelo de fundo garantidor, porque com o fundo garantidor a gente consegue taxas muito menores, até porque o fundo garantidor é para tirar o risco da operação”, complementou o ministro.

    Anúncio de investimentos

    Nesta quarta-feira (8), o governo anunciou investimentos do Novo PAC Seleções para atender projetos apresentados por prefeitos e governadores. Parte desses recursos serão voltados a obras de prevenção de desastres, como contenção de encostas e drenagem.

    Haverá investimento de R$ 1,7 bilhão para a realização de obras de contenção de encostas em 91 municípios com problemas recorrentes de deslizamentos. Com a tragédia que atinge o Rio Grande do Sul, todas as propostas de obras de contenção de encostas enviadas pelo estado foram contempladas pelo governo.

    Outros R$ 5,3 bilhões serão investidos em urbanização de favelas, com parte dessas intervenções voltadas à melhoria habitacional e à drenagem — que reduzem riscos em desastres naturais. Este dinheiro também será usado para recuperação ambiental, regularização fundiária e equipamentos públicos de saúde, educação, esporte e lazer.

    *Sob supervisão de Nathan Lopes