CPI da Pandemia pretende levar Aras ao Senado para explicar apuração de acusações

Ex-integrantes da comissão temem que procedimento preliminar aberto por Aras protele as investigações

Em abril do ano passado, a PGR pediu a abertura de inquérito ao STF logo após o ex-ministro Sérgio Moro acusar Bolsonaro de tentar interferir na Polícia Federal
Em abril do ano passado, a PGR pediu a abertura de inquérito ao STF logo após o ex-ministro Sérgio Moro acusar Bolsonaro de tentar interferir na Polícia Federal Foto: Adriano Machado - 02.out.2019/Reuters

Fernando Molicada CNN

No Rio de Janeiro

Ouvir notícia

Na próxima terça-feira (23), ex-integrantes da CPI da Pandemia devem levar a senadores que participam de comissões permanentes da Casa a proposta de convite ou convocação do procurador-geral da República, Augusto Aras. Eles pretendem cobrar do PGR explicações sobre o andamento da investigação preliminar que analisa o relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito.

A iniciativa é para evitar que o caminho adotado por Aras seja utilizado para protelar ou mesmo dificultar a apresentação de denúncias contra suspeitos de cometer crimes — a CPI indiciou 78 pessoas, entre elas, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), e duas empresas. Comissões do Senado têm o poder de convidar ou de convocar o PGR.

O vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP) disse à CNN que, ao invés de criar o procedimento preliminar, Aras poderia ter solicitado ao Supremo Tribunal Federal (STF) a imediata instauração de um inquérito, uma medida mais formal e efetiva, para a apuração do caso.

Cabe à PGR apresentar denúncias contra, entre outras autoridades, presidente da República, ministros, senadores e deputados.

Em abril do ano passado, a PGR pediu a abertura de inquérito ao STF logo após o ex-ministro Sérgio Moro acusar Bolsonaro de tentar interferir na Polícia Federal.

A instauração da apuração preliminar para apurar as conclusões da CPI foi anunciada no último dia 28 por Aras — na véspera, senadores entregaram à PGR o relatório final das investigações.

Mais Recentes da CNN