CPI deve ouvir Conitec antes do ministro Queiroga, afirma Omar Aziz à CNN

Em entrevista à CNN, presidente da CPI da Pandemia diz que Conitec tem o dever de se posicionar sobre os remédios sem eficácia receitados a pacientes com Covid-19

Da CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

O presidente da CPI da Pandemia, senador Omar Aziz (PSD-AM), afirmou em entrevista à CNN nesta segunda-feira (11) que é importante ouvir representantes da Comissão de Incorporação de Tecnologia do SUS, a Conitec, antes do depoimento do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

A CPI encontra-se na reta final, e o novo depoimento de Queiroga está marcado para a próxima segunda-feira (18). O interesse pela Conitec é porque ela adiou a decisão sobre a recomendação ou não da prescrição de remédios sem comprovação científica contra a Covid-19.

Integrantes da CPI vão se reunir por videoconferência na manhã desta terça-feira (12), e Aziz pode marcar ainda para esta semana a votação de um requerimento para ouvir um representante da Conitec ou o médico Carlos Carvalho, coordenador da UTI respiratória do Incor.

Carvalho foi o responsável por pedir o adiamento da análise e da votação pela Conitec a respeito dos remédios sem eficácia, conhecidos como “kit Covid”.

Aziz criticou a demora da Conitec em se manifestar sobre o caso. “A Conitec tem o dever, a obrigação de dar parecer sobre medicamentos não comprovados cientificamente. Ela precisa provar se esses medicamentos podem ser usados nas unidades básicas de saúde”, afirmou.

“Os membros da Conitec estão sendo omissos, estão prevaricando na função deles. E se não houver uma decisão rápida deles, eles terão que responder criminalmente pelos crimes que estão cometendo, sendo omissos e permitindo que ainda se prescreva esse tipo de medicamento em unidades de saúde Brasil afora. Isso é um crime”, acrescentou o senador.

O presidente da CPI também declarou que o adiamento da decisão da Conitec interessa apenas aos laboratórios fabricantes desses remédios.

(Publicado por Wellington Ramalhoso)

Mais Recentes da CNN