CPI deve incluir 4 nomes entre investigados; lista de indiciados pode atingir 50

Apenas um dos novos indiciados não prestou depoimento à Comissão

Votação do relatório da CPI da Pandemia deve ser realizada no dia 20 de outubro
Votação do relatório da CPI da Pandemia deve ser realizada no dia 20 de outubro Pedro França/Agência Senado

Rachel Vargasda CNN

em Brasília

Ouvir notícia

A poucos dias de concluir os trabalhos, o relator da CPI da Pandemia, Renan Calheiros (MDB-AL), vai propor a inclusão de mais quatro nomes na lista de investigados. São eles: Marcos Tolentino da Silva, Danilo Trento, Otávio Fakoury e Allan Lopes dos Santos.

Com isso, a lista que hoje tem 32 nomes passará a 36. Com exceção de Allan, todos prestaram depoimento à Comissão. Os nomes são submetidos à Comissão antes de serem incluídos no hall de investigados.

A escolha dos novos nomes ganhou força em linhas de investigação adotadas pela Comissão Parlamentar de Inquérito.

No caso do blogueiro Allan dos Santos, a CPI tem indícios da participação dele na disseminação de notícias falsas sobre a Pandemia. Já no caso de Otávio Fakoury, a suspeita é de que ele tenha financiado canais e pessoas que espalharam fake news.

Em relação a Marcos Tolentino, a Comissão acredita que ele seja uma espécie de sócio oculto da Fib Bank, empresa que atuou como fiadora para garantir à Precisa Medicamentos o contrato com o Ministério da Saúde.

Por fim, DanieloTrento, sócio da Precisa Medicamentos, empresa que está no centro das investigações.

No relatório final, a CPI deve pedir o indiciamento não só de investigados como também de pessoas que não constam na lista, entre eles do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido). Com isso, a lista de indiciados pode conter aproximadamente 50 nomes – número que será contabilizado até a conclusão do relatório, prevista para ocorrer no dia 15 de outubro.

O relator ainda pretende ouvir os senadores individualmente para afinar o texto, que deve ser lido no dia 19, e ter maior consenso no dia da votação, prevista para 20 de outubro.

Mais Recentes da CNN