Cúpula do DEM reage às críticas de Rodrigo Maia sobre eleição na Câmara

Em entrevista, Maia acusou ACM Neto de traição: 'entregou a nossa cabeça numa bandeja para o Planalto'

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Em resposta às críticas de Rodrigo Maia (DEM-RJ) ao seu próprio partido em relação à eleição no Congresso, a bancada e o presidente do DEM, ACM Neto (BA), criticaram as falas do ex-presidente da Câmara.

Tanto ACM Neto quanto a bancada do DEM, representada no líder Efraim Filho, disseram que Maia tentou jogar a responsabilidade do fracasso e de erros na condução do processo de eleição do novo presidente da Câmara para a cúpula do partido.

“Maia tenta transferir responsabilidade dos erros”, disse ACM Neto.

Críticos de Maia dizem que ele tentou, nos bastidores, viabilizar sua recondução até que o STF barrou a possibilidade. Ele, então, teve dificuldade de eleger seu sucessor, porque prometeu o cargo a pelo menos seis nomes e isso não se concretizou.

Em entrevista ao jornal Valor Econômico, Maia acusou o colega de traição. “ACM Neto entregou a nossa cabeça numa bandeja para o Planalto”, disse. “Essa foi a despedida dele”, rebateu Neto, em tom de indignação.

Leia abaixo a íntegra das cartas da bancada do DEM e do presidente nacional do partido, ACM Neto:

Nota do DEM

Em entrevista publicada nesta segunda-feira (8) pelo jornal Valor Econômico, o deputado Rodrigo Maia (RJ) apresenta uma leitura da eleição para a presidência da Câmara que não corresponde aos fatos. Nada mais distante da realidade do que a narrativa que ele vem tentando estabelecer. Não houve traição da Executiva do Democratas, nem adesão ao governo Bolsonaro.

Infelizmente, o deputado Rodrigo Maia tenta transferir para a presidência do Democratas a responsabilidade pelos erros que ele próprio cometeu durante a condução do processo de eleição da Mesa Diretora da Câmara.

No empenho em transferir as responsabilidades pelo seu fracasso, Rodrigo Maia tenta negar que insistiu, até o último momento, na possibilidade de conseguir o aval do Supremo Tribunal Federal (STF) para se perpetuar no cargo de presidente da Câmara. Todos sabem que Rodrigo Maia tinha um único candidato à presidência da Câmara, que era ele mesmo. Quando o STF derrubou a possibilidade de reeleição, o deputado perdeu força para conduzir sua sucessão e chegou ao final do processo contando com o apoio de apenas um terço da bancada do seu próprio partido.

Rodrigo, que tinha a fama de grande articulador, fracassou nessa empreitada. Essa é a realidade. 
Ao invés de escutar quem sempre esteve ao seu lado, e fazer com serenidade e honestidade o exercício da autocrítica, o deputado Rodrigo Maia se encastelou no poder conquistado e, agora, demonstra surpreendente descontrole. A falta de grandeza e a deslealdade causam profundo estranhamento.

A mais grave de todas as falácias de sua narrativa é exatamente a de procurar jogar no colo do Democratas uma conta que não é nossa. 

Ganhar e perder é próprio da vida e da política e, no entanto, as atitudes de Rodrigo Maia lembram os tristes exemplos de políticos que se recusam a reconhecer derrotas e não querem se desapegar do poder.

O Democratas é um partido que não tem dono, não somos um cartório. Como presidente, e sem ter um mandato parlamentar neste momento, não posso ser maior que o conjunto da bancada.

Por fim, lamento muito as palavras do deputado Rodrigo Maia e acrescento que não guardo rancor ou ódio de ninguém, porque não me permito ficar refém de sentimentos tão negativos. Diferentemente do que preconizam vozes preconceituosas, ou ingênuas, minha vida pública sempre foi pautada pelo diálogo, pelo entendimento e pelo exercício do equilíbrio entre a razão e a emoção.

Torço muito para que o deputado Rodrigo Maia reencontre o equilíbrio e a serenidade. Rodrigo Maia foi um presidente da Câmara importante para o Brasil e dá pena vê-lo deixar, de forma tão lamentável, a posição de liderança que exerceu.

Antonio Carlos Magalhães Neto
Presidente Nacional do Democratas

Nota da bancada do DEM

O Democratas é um partido plural e não tem dono. A bancada da Câmara não tem dono. O líder é eleito pela vontade expressa da maioria. Essa mesma maioria, que torna a decisão legítima, faltou a Rodrigo Maia para compor o bloco de centro-esquerda na disputa pela presidência. 

Na verdade, ao tentar levar o partido para essa posição, sem consultar a bancada sobre o que desejava, Rodrigo se viu isolado e perdeu o comando do processo, e muitas vezes o alertamos sobre essa dificuldade. Era a sua sucessão, cabia a ele construir os consensos e conduzir o processo. Na democracia, maioria não se impõe, maioria se conquista.

Somos testemunhas de que o Presidente Acm Neto buscou convencer deputados a alinharem com Rodrigo, fez apelos a bancada, mas diante da decisão adversa da maioria, buscou a neutralidade num gesto de respeito a Rodrigo Maia. Na entrevista, Rodrigo tenta injustamente terceirizar a responsabilidade pela ruína do bloco, não faz sua autocrítica e nem assume a sua mea culpa. É injusto colocar em nossa conta a derrota do seu candidato a sucessão. 

Insistimos, O Democratas não tem dono e ainda preserva um de seus maiores patrimônios: a capacidade de decidir pela vontade da maioria, e não por imposição de cúpula partidária. Isso sim seria ato antidemocrático. O Presidente Acm Neto foi correto ao respeitar a decisão da bancada, seguir o caminho da neutralidade quanto ao governo, preserva a independência do partido e tem a nossa solidariedade e confiança. 

Passada a eleição da Câmara, a bancada Democrata já se reorganizou, elegeu o líder e o membro para compor a mesa diretora da Câmara dos Deputados. Foco no trabalho em 2021. Serão prioridades saúde e vacinação, crescimento econômico e geração de empregos. Eleições serão discutidas em 2022. 

O Democratas é o partido que mais cresceu nas eleições municipais de 2020, venceu as eleições no Senado Federal, comandará uma das casas do Congresso e permanecerá protagonista da agenda do
Brasil para os próximos 2 anos. Rodrigo Maia e o Democratas entraram juntos para a história do pais, tem nosso respeito por esses momentos marcantes desta parceria, porém com o anúncio de sua saída deixa claro que chegou ao fim de um ciclo no partido, e esta decisão ajudará a pacificar o Democratas.

EFRAIM FILHO
Líder do Democratas
Bancada Democratas na Câmara dos Deputados 

(Publicado por Daniel Fernandes)

 

 

 

 

Mais Recentes da CNN