Após críticas ao DEM e ACM Neto, Maia sai de grupos de Whatsapp

O pedido de desfiliação do DEM, que Maia confirmou à CNN na semana passada, ainda não foi formalizado

Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN  
08 de fevereiro de 2021 às 13:13
Presidente da Câmara, Rodrigo Maia
Presidente da Câmara, Rodrigo Maia
Foto: Adriano Machado/Reuters (11.ago.2020)

O ex-presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, se excluiu dos grupos de Whatssapp da bancada do DEM e da direção nacional do partido, sem mensagens de despedida, na noite desse domingo (7), após duras críticas ao Democratas e ao presidente da legenda, ACM Neto. 

O pedido de desfiliação do DEM, que Maia confirmou à CNN na semana passada, ainda não foi formalizado. Pode ocorrer formalmente nesta segunda-feira (8).

Em entrevista ao jornal Valor Econômico, Maia acusou o colega de traição. "ACM Neto entregou a nossa cabeça numa bandeja para o Planalto", disse. "Essa foi a despedida dele", afirmou o presidente da legenda à coluna, em tom de indignação.

Depois, em nota, ACM afirmou que "não houve traição da Executiva do Democratas nem adesão ao governo Bolsonaro". E que há "empenho" de Maia em transferir responsabilidade pelo seu fracasso. "Todos sabem que Rodrigo Maia tinha um único candidato à presidência da Câmara, que era ele mesmo".

O líder do DEM, na Câmara, Efraim Neto, afirmou em nota que "é injusto colocar na conta do partido" a derrota do grupo de Maia. A bancada afirma que Maia perdeu o comando de sua própria sucessão e que foi alertado sobre as dificuldades de promover uma aliança de centro-esquerda. Diz também que Maia e o Democratas entraram juntos para história mas que a decisão dele em sair ajudará a pacificar a legenda.

Há forte incômodo entre demistas. Mas o DEM não ensaia reivindicar o mandato de Maia, que ainda não se decidiu para qual partido irá.

A CNN procurou Maia e ainda não obteve resposta.