Davati diz que não fez oferta de vacina da Covid-19 por US$ 11

Empresa nega informação apresentada pelo revendo Amilton Gomes de Paula na CPI da Pandemia

Renata Agostinida CNN

Ouvir notícia

 

A Davati Medical Supply, empresa envolvida nas acusações de propina na oferta de vacinas para o Ministério da Saúde, afirmou em nota que jamais enviou proposta ao governo brasileiro no valor de US$ 11. Em entrevista para a CNN realizada na última segunda-feira (2), o presidente da Davati, Herman Cardenas, nega a informação dada durante depoimento do reverendo Amilton Gomes de Paula, que disse na CPI da Pandemia que a única oferta enviada ao governo brasileiro foi neste valor. Segundo a empresa, a única oferta feita foi de US$ 10. A empresa ainda ainda emitiu uma nota nesta terça-feira (3), reafirmando esta posição. 

Em seu depoimento na CPI da pandemia nesta terça-feira (3), Amilton afirmou que nunca teve conhecimento de uma oferta de US$ 10 por doses de vacinas contra a Covid-19 para o Ministério da Saúde, valor defendido pela Davati como o único oferecido para o governo brasileiro. 

No dia 24 de março, o Amilton de Paula envia um e-mail oferecendo doses da vacina da Aztrazeneca pelo valor citado na CPI. Cardenas afirma que não só este valor nunca foi negociado, como também não faz sentido, já que naquele momento o valor das doses desta vacina estava em US$ 17,50. 

O caso é investigado pela CPI após a denúncia de um pedido de propina de US$ 1,00 por dose de vacinas. Pedido esse que teria envolvido o então chefe do departamento de logística do Ministério da Saúde, Roberto Dias.

 

Randolfe apresentou as duas propostas à CPI, e Amilton negou conhecer o primeiro documento, que oferecia a vacina a US$ 10,00. “Eu não encaminhei esse documento de US$ 10, eu tenho a oferta de U$S 11”, disse. Para Randolfe, o aumento do preço da vacina, e a denúncia de pedido de propina de US$ 1,00 “não parece coincidência”.

Em nota, a empresa diz que a única oferta enviada para o governo brasileiro foi de US$ 10 dóles por dose. A davati ainda afirma que nunca Credenciou o sr. Luiz Paulo Domingheti e o Reverendo Amilton de Paula Gomes como representantes de seus produtos. 

Confira a nota na íntegra:

A Davati Medical Supply esclarece que jamais enviou proposta (FCO) ao Governo Brasileiro no valor de US$ 11,00, inexistindo documento firmado pela empresa com este valor. Referente a vacinas do laboratório Johnson & Johnson, a única proposta (FCO) apresentada pela Davati Medical Supply ao Governo Brasileiro foi no valor de US$ 10,00, em e-mail enviado diretamente ao então Secretário do Ministério da Saúde. O Presidente da Davati Medical Supply nega veementemente esta manifestação do Reverendo Amilton de Paula Gomes nesta terça-feira (03) perante a CPI. Ademais, reitera que a empresa jamais credenciou o sr. Luiz Paulo Domingheti e o Reverendo Amilton de Paula Gomes como representantes de seus produtos.”

Reverendo Amilton Gomes de Paula na CPI da Pandemia
Reverendo Amilton Gomes de Paula na CPI da Pandemia
Foto: Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

 

 

Mais Recentes da CNN