Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Diplomacia brasileira vê decisão de tribunal como “cartão amarelo” sobre ataques em Gaza

    Decisão da Corte Internacional determina o prazo de um mês para que Israel mostre ações realizadas para manter a ordem

    Decisão da Corte internacional dá um mês para Israel mostrar ações a favor da ordem
    Decisão da Corte internacional dá um mês para Israel mostrar ações a favor da ordem Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

    Gabriela Pradoda CNN

    Brasília

    Integrantes do Itamaraty avaliam que a ordem do Tribunal Internacional de Justiça (TIJ) para que Israel tome medidas para evitar atos de genocídio em Gaza é um “cartão amarelo” para os ataques de Israel.

    Embora não tenha ocorrido um pedido de cessar-fogo, representantes da diplomacia brasileira consideram que a decisão deixa a corte “mais perto” de um pedido de interrupção do conflito.

    Esse foi o primeiro julgamento de uma sentença inicial, já que uma sentença definitiva pode levar anos dentro da Corte.

    Para parte do corpo diplomático, a corte foi clara ao mostrar que ” há elementos que justificam a ação, e justificam o pedido de medidas provisórias”.

    A decisão da Corte internacional impõe o prazo de um mês para que Israel mostre as ações feitas para manter a ordem.

    “O Estado de Israel deverá… tomar todas as medidas ao seu alcance para impedir a prática de todos os atos no âmbito do Artigo II da Convenção do Genocídio”, disse o tribunal.

    Apoio do Brasil

    O Brasil apoiou a iniciativa da África do Sul na ação que acusa Israel de cometer atos de genocídio nas ações em Gaza, na guerra contra o grupo extremista Hamas.

    A decisão do apoio foi logo após uma reunião entre o Presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e do Embaixador da Palestina no Brasil, Ibrahim Al-Zeben.

    O diplomata palestino disse à CNN que considera a decisão histórica, mas ainda um “passo inicial” .

    “Primeiro lugar é uma decisão histórica, já que pela primeira vez um organismo jurídico internacional tomou a iniciativa de pedir unanimemente a Israel para tomar as medidas para que atos de genocídio não sejam cometidos. mas de toda maneira, esse é um passo inicial que vai ser seguido pela defesa da nossa parte, da África do Sul e dos componente acusatórios. Daqui a um mês, vamos começar as intervenções com objetivo de demonstrar que Israel está cometendo atos de genocídio no território palestino”, afirmou.