Doria registra pré-candidatura a presidente e promete vice mulher se escolhido

O partido deve ter quatro concorrentes às prévias para disputar eleições de 2022

Governador de São Paulo, João Doria, durante entrevista coletiva
Governador de São Paulo, João Doria, durante entrevista coletiva 16/08/2021 REUTERS/Carla Carniel

Caroline Rositoda CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

O governador de São Paulo, João Doria, registrou nesta segunda-feira (20) a sua pré-candidatura a presidente da República pelo PSDB.

Ele foi o primeiro a registrar a intenção de concorrer. O partido deve ter quatro concorrentes às prévias, a se confirmar as inscrições do senador Tasso Jereissati (CE), do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, e do ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio Neto.

Em manifesto divulgado, Doria defendeu a presença do PSDB na oposição ao governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e afirmou que “antipetismo será predominante dentro da nossa campanha”.

O governador de SP afirmou que se for escolhido candidato pelo partido, vai apontar uma mulher para concorrer a vice-presidente. “Ainda não tem nome”, ponderou.

CARTA DE INSCRIÇÃO ÀS PRÉVIAS PRESIDENCIAIS 2022

É com orgulho, humildade e senso de dever público que registro minha candidatura nas prévias do PSDB à disputa presidencial de 2022. Sou filho da democracia. Meu saudoso pai, João Doria, foi deputado federal, lutou contra a ditadura e foi exilado por 10 anos. Eu mesmo fiquei no exílio por 2 anos com meus Pais. Só quem sofreu com a ditadura militar sabe o que foi esta violência no Brasil.

Sou filho das prévias. Construí minha candidatura nos braços da militância do PSDB até vencer a disputa pela prefeitura de São Paulo, no primeiro turno, em 2016. Igualmente, disputamos e vencemos as prévias para o Governo de São Paulo em, em 2018. Por isso, rendo minha homenagem ao PSDB, no qual sou filiado há 20 anos. As prévias do PSDB nos impulsionaram a duas vitórias eleitorais. Pela democracia e pelo voto, rendo minha homenagem às prévias.

Os tempos são de retrocesso, institucional, democrático, econômico, ambiental, social, político e moral. Nossas instituições têm sido atacadas, mas dão provas de independência e coragem ao defenderem o que temos de mais sagrado: Respeito à Constituição, ao Estado Democrático de Direito, com eleições livres, diretas e com voto eletrônico.

Desde a redemocratização, o PSDB foi o partido que colocou o país na rota do desenvolvimento. Nos orgulhamos dos oito anos de governo FHC, da consolidação do Plano Real, da Lei de Responsabilidade Fiscal, da Lei dos Genéricos, da criação e avanços dos programas sociais que deram origem ao Bolsa Família. E principalmente nos orgulhamos da defesa incessante da democracia.

Infelizmente, os anos que se seguiram com os governos de Lula e Dilma representaram a captura do Estado pelo maior esquema de corrupção do qual se tem notícia na história do País. Fazer políticas públicas para os mais pobres não dá direito, a quem quer que seja, de roubar o dinheiro público. Os fins não justificam os meios.

Na nossa primeira experiência, na prefeitura de São Paulo, ao lado de Bruno Covas, seguimos a boa prática do equilíbrio dos gastos públicos, transparência e inovação na gestão da maior cidade do País.

No governo do Estado de São Paulo, enfrentamos nosso mais difícil teste na administração pública, com a grave pandemia de Covid 19. Guiados pela ciência, buscamos a vacina. Nosso Estado vacinou a primeira brasileira, a enfermeira negra Mônica Calazans, em 17 de janeiro de 2021. E será o primeiro Estado a imunizar toda a população. Fizemos as reformas da Previdência e a Administrativa, além de amplo programa de privatizações. Extinguimos estatais e reduzimos a máquina pública. As decisões renderam frutos. São Paulo vem se recuperando rapidamente da pandemia. A economia cresceu 30% acima da média nacional e gera 1/3 de todos os novos empregos do país. Resultado de planejamento, gestão e trabalho que queremos levar a todo o Brasil. Ações eficientes e transparentes. Não perdemos tempo criticando problemas. Investimos tempo nas soluções dos problemas.

Criamos o mais amplo programa de proteção aos mais pobres de São Paulo. Fizemos um projeto liberal de governo. Mas com responsabilidade social. Criamos o Bolsa do Povo, o Vale Gás, o Alimento Solidário, o Corujão da Saúde e implantamos 1.878 escolas de Tempo Integral, com ensino digital, 8 horas de aulas/dia, 5 refeições, computadores, tablets, wi-fi e ensino de inglês para 1 milhão de alunos. E vamos fazer ainda mais. Isto é respeito pelo futuro das novas gerações.

Nosso projeto de país baseia-se na pacificação nacional e em pilares sólidos: proteção aos mais vulneráveis, geração de empregos e distribuição de renda; educação em tempo integral e ensino técnico de qualidade; crescimento sustentável com equilíbrio das contas públicas; reformas que favoreçam o ambiente de negócios e a atração de investimentos; preservação do meio ambiente e integração com o agronegócio. E compromisso inarredável com a democracia e liberdade de expressão. Vamos fortalecer o pacto federativo, com autonomia para estados e municípios. E, acima de tudo, investir no equilíbrio e harmonia entre os Poderes, como valor inatacável ao Estado Democrático de Direito. Trabalharemos por um Brasil mais digno e justo, que recupere seu prestígio internacional e atue na vanguarda do processo civilizatório. Vamos resgatar o orgulho de sermos brasileiros e dos nossos valores.

Acredito no PSDB, o partido do Plano Real e da Vacina, e acredito no Brasil. No PSDB da vitória. Unidos venceremos a corrupção e a incompetência. Venceremos as trevas e o negacionismo. Vamos juntos unir o Brasil e os brasileiros.

Mais Recentes da CNN