Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    É dever da AGU recorrer, diz Bolsonaro sobre decisão que barrou posse de Ramagem

    Mais cedo, novo titular disse que não contestaria decisão

    Jair Bolsonaro na posse de Alexandre Ramagem como diretor da Abin
    Jair Bolsonaro na posse de Alexandre Ramagem como diretor da Abin Foto: Adriano Machado/Reuters (11.set.2019)

    da CNN, em São Paulo

    O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) declarou nesta quarta-feira (29) que é dever da AGU (Advocacia-Geral da União) recorrer da decisão que barrou a posse de Alexandre Ramagem como diretor da PF (Polícia Federal).

    Em fala rápida a apoiadores e jornalistas no Palácio do Alvorada, ele classificou o parecer de Alexandre de Moraes como uma “ingerência”. 

    Na decisão, Moraes justifica sua posição dizendo que a Polícia Federal não é “órgão de inteligência da Presidência da República“.

    Leia também:

    Alexandre de Moraes suspende nomeação de Ramagem para a PF

    Após decisão do STF, governo torna sem efeito nomeação de Ramagem

    A AGU havia publicado uma nota nesta quarta, em que diz que não iria recorrer da decisão em primeiro momento. “Quem manda sou eu”, disse Bolsonaro.

    Apesar das declarações do presidente, o novo advogado-geral da União, José Levi, reforçou que o órgão não deve apresentar recurso.

    “Já foi dito que não”, disse Levi ao ser questionado por jornalistas no Palácio do Planalto.

    Mais cedo, Bolsonaro afirmou durante a posse dos novos ministros da Justiça e da AGU que o “sonho” de nomear Ramagem para o posto mais alto da PF “brevemente se concretizará”.

    “Eu gostaria de honrá-lo [Ramagem] no dia de hoje dando-lhe posse como diretor-geral da Polícia Federal. Eu tenho certeza de que esse sonho meu, mais dele, brevemente se concretizará, para o bem da nossa Polícia Federal e do nosso Brasil”, afirmou.

    Indagado sobre o discurso do presidente, o novo advogado-geral da União disse que o presidente “não disse isso”, em referência a um eventual recurso.

    Com informações do Estadão Conteúdo