É mais fácil ser presidente que ministro da Saúde, diz Bolsonaro

Presidente defendeu o uso da hidroxicloroquina no tratamento a pacientes com a Covid-19

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e o presidente Jair Bolsonaro
O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e o presidente Jair Bolsonaro Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Guilherme Venaglia, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Durante a posse do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que a responsabilidade do general à frente da pasta é “enorme” e agradeceu a ele por ter aceitado o convite para ser efetivado no cargo.

“Eu confesso que é menos complicado ser presidente da República do que ministro da Saúde. A sua responsabilidade, Pazuello, é enorme. Eu quero agradecer por você ter aceitado esse desafio”, disse.

Ao longo de seu discurso, Bolsonaro tratou da grande divergência que teve com os dois antecessores do militar, a hidroxicloroquina. 

“Com o ministro da Saúde anterior, nada era resolvido nas nossas conversas. Pior que uma decisão ruim é uma indecisão. Tinhamos que fazer alguma coisa para conter as mortes”, disse.

“Aceito, mesmo não sendo médico, qualquer crítica a ela [cloroquina], mas por parte das pessoas que possam apresentar uma alternativa para a mesma”, comentou.

O presidente defendeu sua postura ao promover o medicamento contra a Covid-19.

“A decisão não foi da minha cabeça. Não resolvi apostar, como se fosse um jogador. Com o Ernesto Araújo, conversamos com embaixadores pelo mundo. Porque na África haviam poucas mortes àquele momento? A FDA, a Anvisa dos Estados Unidos, estudava isso aqui. Se não tivesse o mínimo de indício, não ia estudar”, disse Bolsonaro.

Assista e leia também:

Exclusivo: sem contestar, Exército paga quase triplo por insumo da cloroquina

Quem é Eduardo Pazuello, o novo ministro efetivo da Saúde

Quais são os ministérios do governo Bolsonaro

“Comecei a defender a hidroxicloroquina calcado também na experiência de médicos pelo Brasil, que apostavam nela e tinham uma resposta através da sua observação”, prosseguiu.

Na mesma semana em que fez críticas à equipe econômica e suspendeu a ideia do projeto Renda Brasil, o presidente pediu uma salva de palmas ao ministro da Economia, Paulo Guedes.  

O presidente voltou a criticar as medidas de distanciamento social e quarentena adotadas pelo país, sobretudo o fechamento das escolas. “Não tinhamos porque fechar escolas, mas as medidas mais restrititvas não estavam mais na mão da Presidência da República”, afirmou.
 

Mais Recentes da CNN