Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Eleições 2022

    Eduardo Leite anuncia que se manterá neutro em disputa pela Presidência

    Candidato do PSDB está no 2º turno em corrida pelo governo do Rio Grande do Sul, contra Onyx Lorenzoni (PL)

    Carolina Cerqueirada CNN

    O candidato ao governo do Rio Grande do Sul Eduardo Leite (PSDB) disse nesta sexta-feira (7) que não irá apoiar nenhum dos dois candidatos que disputam a Presidência da República no segundo turno.

    Leite terminou o primeiro turno no estado com 26,81% dos votos válidos, atrás de Onyx Lorenzoni (PL), que obteve 37,5%. O ex-ministro tem o apoio do presidente Jair Bolsonaro (PL). O segundo turno está marcado para 30 de outubro.

    “Eu não vou abrir o meu voto para presidente para não contaminar o debate e não deixar que se discuta apenas o Brasil e não o Rio Grande”, disse o candidato do PSDB a jornalistas.

    “Nem o Lula nem o Bolsonaro vão vir aqui resolver os nossos problemas. Nem o Lula e nem o Bolsonaro estarão no Palácio Piratini nos próximos quatro anos”, completou.

    Segundo ele, sua posição continuará a mesma: “no centro”. “Fora da polarização, ao lado do diálogo, do bom senso, do respeito às diferenças”, disse.

    Segundo o analista da CNN Gustavo Uribe, caso o candidato se posicionasse a favor de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), poderia perder eleitores. Bolsonaro venceu no Rio Grande do Sul com 48,89% dos votos válidos, contra 42,28% de Lula.

    Caso se posicionasse a favor de Bolsonaro, eleitores petistas poderiam preferir anular o voto ou votar em branco, na avaliação de Uribe. Segundo o analista, o anúncio de neutralidade, apesar de possivelmente benéfico a curto prazo, pode prejudicar Leite no futuro, caso ele queira ser candidato à Presidência em 2026.

    Eduardo Leite foi eleito governador em 2018 e deixou o cargo em março deste ano para tentar concorrer à Presidência da República. Em junho, no entanto, anunciou sua pré-candidatura ao governo do estado. Em 2018, Leite anunciou voto e apoiou Bolsonaro no segundo turno.