Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Eduardo Paes toma posse como prefeito do Rio de Janeiro

    Nilton Caldeira foi empossado como vice-prefeito

    Luiza Muttoni e Pauline Almeida, da CNN, no Rio de Janeiro

    Eduardo Paes (DEM) assumiu a prefeitura do Rio de Janeiro no início da tarde desta sexta-feira (1º). A capital fluminense é uma das 21 que realizam cerimônia de posse presencial para prefeitos no primeiro dia de 2021. Este será o terceiro mandato de Paes no Rio. Em discurso durante cerimônia na Câmara dos Vereadores, ele disse que, nos próximos dias, deve anunciar ações de enfrentamento à pandemia de Covid-19.

    Leia também:

    Prefeitos eleitos tomam posse nesta sexta com indefinição em 93 cidades

    Bruno Covas assume segundo mandato em São Paulo com maioria na Câmara

    Ao todo, foram 74 decretos publicados neste primeiro dia de mandato —  44 deles na área econômica. Segundo a nova administração, as medidas têm o objetivo reduzir o déficit fiscal e retomar os investimentos na cidade. Entre elas estão a suspensão de concursos e contratações, o corte de 30% nas despesas não obrigatórias e estudos para reformas tributária e da previdência municipal. 

    Em sua posse, Paes informou que vai criar um comitê de especialistas para auxiliar na prevenção ao coronavírus, um Centro de Operações de Emergência – que vai funcionar no Centro de Operações do Rio (COR). Além disso, abrirá 343 novos leitos para o enfrentamento à Covid-19.

    Não houve a tradicional passagem da “faixa de prefeito” já que o seu antecessor, Marcelo Crivella (Republicanos), cumpre prisão domiciliar. À tarde, Paes vai empossar o secretariado na sede do Governo Municipal, o Palácio da Cidade, em Botafogo, na Zona Sul do Rio. 

    No âmbito fiscal, Paes ressaltou que irá promover uma reforma da Previência e prometeu foco no combate à corrupção, com a aplicação de serviços de inteligência. O novo prefeito anunciou, também, a criação de um programa de transparência chamado RioIntegridade e disse que fará um governo antirracista.

    Segundo o novo secretário municipal de Fazenda, Pedro Paulo, o déficit nas contas do município é de R$ 10 bilhões, o que não havia sido reconhecido pela antiga gestão. Para reverter o cenário, a nova administração estabeleceu três metas para os próximos meses: uma reforma da previdência municipal; uma revisão tributária para simplificar a cobrança de impostos e revisar subsídios; e ainda uma lei de emergência fiscal, desobrigando várias receitas. 

    A prefeitura espera uma evolução das condições econômicas para melhorar a classificação de risco do Rio de Janeiro junto às agências internacionais – que hoje está no nível C. 

    Principais medidas anunciadas no pacote:

    – Corte de 30% das despesas não obrigatórias. Não fazem parte: recursos para pagamento de despesas com Pessoal, Dívida Pública, Precatórios, Concessionárias e outras de caráter obrigatório.

    – Sindicância nas despesas dos exercícios anteriores e contingência até avaliação. 

    – Redução de 50% de gastos com gratificações de cada órgão ou entidade em referência a outubro de 2020. 

    – Corte de 30% dos gastos com cargos de comissão.

    – Criação de um grupo de trabalho para avaliar todos os contratos acima de R$ 1 milhão. A prorrogação desses vínculos dependem da aprovação do novo prefeito. 

    – Auditoria das folhas de pagamentos dos servidores ativos da administração direta, inativos e pensionistas.

    – Auditoria das contratações diretas sem licitação.

    – Grupo de trabalho para elaborar proposta de plano de amortização do déficit atuarial e reequilíbrio financeiro e atuarial do Fundo Especial de Previdência do Município do Rio de Janeiro.

    – Suspensão de todas as admissões e convocações de bancos de concursados até que os limites legais impostos pela Lei de Responsabilidade Fiscal sejam normalizados.

    – Grupo de trabalho pararegulamentar o regime permanente de teletrabalho na Administração Pública Municipal.

    – Grupo de Trabalho para reforma tributária no Município.

    – Grupo de trabalho para elaborar projeto de lei com Plano de Recuperação Fiscal permanente e emergencial para o controle do crescimento das despesas e de reequilíbrio fiscal.

    Câmara

    Antes da posse de Eduardo Paes, os 51 vereadores eleitos para a atual legislatura também foram empossados e escolheram a mesa diretora da Casa. A chapa única que concorreu venceu pelo placar de 44 votos a favor e 7 abstenções:

    Presidente: Carlo Caiado (DEM) 
    Primeira vice-presidente: Tânia Bastos (Republicanos) 
    Segundo vice-presidente: Luciano Vieira (Avante)
    Primeira secretária: Rafael Aloísio Freitas (Cidadania)
    Segunda secretário: Marcos Braz (PL)
    Primeira suplência: Jones Moura (PSD)
    Segunda suplência: Tayná de Paula (PT).

    Eduardo Paes
    O prefeito Eduardo Paes (DEM) em cerimônia de posse na Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro
    Foto: Renan Olaz/CMRJ